29.12.10

Plutocratas


Carlos recebeu o diploma entre os poucos aquários da Nova Expo, onde ainda espadanavam, tristonhos, uns quantos representantes da biosfera terrestre, recebeu aplausos dos educadores e familiares, palmadinhas nas costas do Presidente, e depois, feitas as despedidas, vestido com o uniforme da Escola e de filtro nasobocal alçado para não inspirar o fedor necrótico do Mar da Palha, foi enfiado no MagLev rumo a Genève e ao Instituto Jean Piaget.
A viagem através da escuridão durou pouco menos do que um dia, mas Carlos, meio-drogado por uns quantos hipnóticos terapêuticos, quase não deu por nada. O comboio mergulhou no túnel à saída de Lisboa, um túnel feito de vácuo para facilitar a aceleração inercial, atravessou a Europa quase toda através do subsolo - evitando assim qualquer sabotagem da Frente Genética para a Unicidade Racial - e voltou à tona acima das nuvens e da Fortaleza Europa, numa outra fortaleza - desta feita económica - de acesso restrito a uns quantos eleitos, técnicos especializados e demais plutocratas. (...)
Mas Carlos era um eleito - mesmo que temporário -, estava ali a convite do Império Microsoft, com uniforme e malinha das necessidades paga pelo Império Gates. O implante tradutor colado ao pavilhão auricular esquerdo debitava-lhe numa voz doce e maternal aquilo que deveriam ser indicações topográficas, só que o sistema estava avariado e as informações chegavam-lhe aos ouvidos não em português mas em excelente mandarim. (...)
A primeira fase do Projecto consistia em treinos em VR. Deitado às escuras, e paralisado abaixo das vértebras cervicais, Carlos pilotou pela primeira vez a simulação do aracnóide que iria explorar as zonas costeiras de Próxima 4. Como ninguém sabia qual a contextura correcta das praias desse outro mundo - a única certeza é que havia água e Oceanos -, Carlos visitou, em vez disso, as landes alagadas dos Países Baixos, aprendeu - com a ajuda do logicial do programa - a usar seis pernas em vez de duas, a servir-se das pinças e pás manipuladoras e assim construir o famoso castelo do seu projecto. (...)
Terminados os treinos, dado que os novos modos de locomoção e apreensão da realidade faziam agora parte integrante dos seus processos cognitivos, Carlos passou à fase dos testes, milhares e milhares e milhares de perguntas, daquelas que só podiam ser respondidas com um sim ou um não, até que a IA monitora e a equipa dos técnicos apoiantes tivesse uma ideia bem definida da estrutura da sua personalidade, do caminho secreto de todas as vias neuronais.
E por fim, no interior do cilindro TAC onde luzes corriam umas atrás das' outras sob uma musiquinha de Mozart ali posta para descontrair, scanaram-lhe o cérebro, nível após nível, até que a IA conseguisse ter dele um modelo Turing em todos os pontos semelhante ao original.


João Barreiros, "Sincronicidade",
in Linhas Cruzadas, Uma Antologia de Contos PT,
Ed. do Gabinete de Comunicação da Portugal Telecom



Notas:
espadanavam: batiam as barbatanas.
biosfera: zona envolvente da Terra onde se desenvolvem os seres vivos.
nasobocal: relativo ao nariz (naso) e à boca.
necrótico: relativo à morte e desintegração das células.
Mar da Palha: parte do rio Tejo junto a Lisboa.
hipnóticos terapêuticos: tratamentos que provocam o sono.
inercial: para vencer a falta de movimento.
plutocratas: pessoas influentes pela sua riqueza.
topográficas: relativas à localização no espaço.
mandarim: língua falada pelas classes superiores da China.
aracnóide: aparelho em forma de aranha.
contextura: composição.
landes: (designação francesa de) charnecas; terreno inculto com vegetação rasteira.
logicial: potencialidade do programa para ajudar do ponto de vista da lógica.
manipuladoras: manobradoras.
locomoção: deslocação.
apreensão: captação.
cognitivos: relativos ao conhecimento.
neuronais: relativas às células nervosas e seus prolongamentos.
scanaram-lhe: fizeram-lhe um registo como um scanner faz aos documentos (scan: transmitir uma imagem ponto por ponto).



1. De entre cada grupo de afirmações, assinala a que, segundo o texto, é verdadeira.

1.1. Carlos foi convidado para estes treinos por:

ter realizado um projecto

falar mandarim

se interessar por zonas alagadas

1.2. O projecto em que está a participar:

proporcionou-lhe treino específico

obrigou-o a fazer exames médicos

investigou-o e treinou-o para uma missão

2. Divide o texto em três partes, delimita-as e sintetiza-as.

3. O texto apresenta características de ficção científica.

3.1. Transcreve uma passagem que documente a afirmação.

4. Que novas destrezas trouxeram os treinos a Carlos? E com que objectivos?

5. Com base no texto, e também com a ajuda de transcrições, esclarece, num comentário com cerca de setenta palavras, a frase:

Carlos era um eleito, mas...