18.7.11

Viagem solitária e original


Proposição: A felicidade é uma viagem solitária e original a partir de qualquer sítio. Frase ambígua e pouco sugestiva? Vou tentar esclarecer. Há muitas receitas para a felicidade (...)
Ser feliz, além duma atitude, é um modo de viver os acontecimentos em mudança, sem depender deles e sem os rejeitar.
É também desafiar o destino: Aqui e Agora. A partir de qualquer sítio, seja qual for a circunstância, pois tanto o espaço como o tempo são moradas de transformação na qual a vida se alarga e desata. Parar é morrer, diz o povo. E diz bem, pois tudo está em movimento: fluxo e refluxo, ir e voltar das ondas. Daí a felicidade ser uma viagem, sem estacionamento, a partir de qualquer momento ou lugar. Solitária.
OBJECTOR Solitária? Então, e a felicidade a dois?
AUTOR Não existe felicidade a dois.
OBJECTOR (citando Carlos Drummond de Andrade) Mas essa lua, mas esse conhaque?
AUTOR (arredondando, procurando não parecer demasiado categórico) Sem dúvida, a lua e o conhaque podem ajudar duas pessoas a passar um bom bocado. No entanto, as únicas "felicidade-a-dois" que conheço resultam do encontro de pessoas que já eram felizes antes de se encontrarem.
Interrompo aqui o diálogo com o meu objector (sabemos que o diálogo está um pouco desacreditado). O modo de viver a que chamo felicidade parte de qualquer sítio, como já ficou dito. Não decorre das circunstâncias exteriores. É uma opção que depende apenas de quem a toma. Não provém de coisas: todas as coisas acabam por cansar. Nada tem contra automóveis, telemóveis, casas de campo, fardas, façanhas ou cometimentos. Mas não vive para isso. Entretém-se com o seu próprio fundamento, as suas origens, aquilo que o faz ser diferente. Por isso é original.
OBJECTOR Essa coisa de se fechar em si, descobrir as suas origens, etc., cheira-me a comportamento anti-social.
AUTOR É um aspecto do problema. Entro em mim próprio para sair mais renovado e mais feliz, logo mais útil a tudo e a todos: solitário e solidário são palavras com a mesma raiz.
OBJECTOR O palavreado etimológico não me convence. Se a "receita" é eficaz, como explica que haja tanta gente infeliz?
AUTOR Não se trata de uma receita, mas de uma constatação. Ser feliz é uma arte e um desporto. Sem praticar, não se chega lá. Conhece alguém que tenha aprendido a nadar por correspondência? É preciso treinar.
OBJECTOR No entanto...

Francisco D'Orey, "Aventura ou Desventura",
in Linhas Cruzadas, Uma Antologia de Contos PT,
Ed. do Gabinete de Comunicação da Portugal Telecom



Notas:
ambígua: equívoca; com mais de um sentido.
sugestiva: estimulante.
atitude: modo de proceder
objector: aquele que alega em sentido contrário.
cometimentos: empreendimentos; aventuras; actos praticados.
etimológico: relativo à origem, formação e evolução das palavras.


1. De entre cada grupo de afirmações, assinala a que, segundo o texto, é verdadeira.

1.1. A frase inicial, em itálico, é uma proposição, porque o texto:

comenta o seu conteúdo

explica o seu conteúdo

argumenta em sua defesa

1.2. Ser feliz é comparável a um desporto, porque:

se tem de praticar

se ganha ou se perde

só vale pela continuidade

2. Divide o texto em duas partes, delimita-as e sintetiza-as.

3. Presta atenção ao terceiro parágrafo.

3.1. Explica o sentido da expressão: "o espaço como o tempo são moradas de trans­formação na qual a vida se alarga e desata."

3.2. A que correspondem os "Aqui e Agora"?

4. Com base no texto, e também com a ajuda de transcrições, esclarece, num comentário com cerca de setenta palavras, a frase:

Ser feliz é...