27.7.11

Sindbad, o marinheiro

(...)

– Socorro! – gritei correndo como um louco e com a água a chegar-me aos pés. Lentamente comecei a afundar-me à medida que o monstro desaparecia.
– Alá, salva-me! – gritei, lutando desesperadamente para manter a cabeça fora de água e acenando furiosamente para o barco. Mas ninguém me via. O capitão, convencido que eu já me tinha afogado, içara as velas e preparava-se para se fazer ao mar. Quando vi o barco desaparecer
no horizonte, o meu coração desesperou.
– Deixaram-me aqui e vou morrer afogado! – disse aflito. – É o fim de Sindbad, o marinheiro.

As Mil e Uma Noites, Edinter




1. Lê as frases seguintes e assinala a opção correta: Sindbad teve que trabalhar arduamente para ficar rico.
  1. Sindbad gastou toda a sua fortuna.
  2. Alá é o nome de uma personagem do texto.
  3. Antes de partir, Sindbad vivia em Lisboa.
  4. Sindbad decidiu ser mercador como o seu pai.
  5. Sindbad não fez nenhuns preparativos para a sua viagem.
  6. Sindbad navegou e fez comércio em diferentes ilhas.
  7. Sindbad e a sua tripulação foram parar a uma ilha estranha.
  8. Todos conseguiram regressar a tempo ao navio.
  9. Sindbad conseguiu salvar-se facilmente.


2. Sindbad é a personagem principal deste texto. Caracteriza-a (através das suas palavras e acções).

3. Sindbad decidiu tornar-se mercador.
a. Aponta as razões que o levaram a tomar essa decisão.
b. Enumera as mercadorias que ele comercializava.

4. Conta, por palavras tuas, o que aconteceu na “ilha estranha”.

5. Classifica o tipo de narrador presente neste texto, transcrevendo três fragmentos que justifiquem a tua resposta.