6.3.11

Requerimento

Lê o texto com atenção e responde às questões que se seguem.


Fracos níveis de Literacia entre os rapazes preocupam países desenvolvidos

Elas interessam-se mais pela leitura, ficam satisfeitas se recebem um livro como prenda, não se importam de passar uns momentos numa livraria. Gostam assumidamente de ler, de preferência todos os dias, sobretudo ficção, ainda que leiam também jornais ou revistas. Consideram-se, de resto, leitoras competentes. Mas se as letras as atraem, o mesmo não se pode dizer dos números. As raparigas de 15 anos dos países desenvolvidos acham que não têm muito jeito para a matemática. Com uma excepção: Portugal é o único da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) onde também nesta área elas parecem mais interessadas do que eles.
De facto, quase universalmente, os rapazes gostam mais de matemática do que as raparigas. Já a leitura não é com eles. Os rapazes dizem que se interessam pouco por livros: 40% (média da OCDE) dos jovens do sexo masculino com 15 anos revelam que simplesmente não pegam num livro por prazer pessoal. Um terço dos rapazes portugueses partilha da mesma ideia. Estes são mais alguns resultados de um estudo da OCDE divulgado esta semana, cujo objectivo principal era avaliar as competências dos alunos de 15 anos, de 32 países, quando confrontados com exercícios ligados a situações da vida real.
Apesar de dizer que estes dados devem ser aprofundados em estudos futuros, a OCDE não tem dúvidas em afirmar para já que os hábitos, os interesses e também o sentimento de autoconfiança manifestados pelos jovens estão ligados ao seu desempenho e às competências que desenvolvem. E que, de facto, parece ser claro que há “assuntos” ― como a leitura ― que interessam mais ao sexo feminino e outros mais ao masculino, como a matemática. À escola cabe, segundo os peritos, minimizar estes factores. Eventualmente apostando em promover hábitos de leitura também entre os rapazes e motivando as miúdas para os números.
Um olhar sobre as médias da OCDE nos três tipos de literacia testados ― leitura, matemática e ciências ― revela o seguinte: elas têm resultados significativamente melhores do que eles na leitura, em todos os países; na literacia matemática, os rapazes superam as raparigas em metade dos países (incluindo Portugal); nas ciências, as diferenças entre sexos não são estatisticamente significativas na maioria dos casos (nomeadamente em Portugal).
Não são as diferenças médias na matemática que mais preocupam a OCDE (até porque elas escondem que não há muitos rapazes que se distinguem imenso das raparigas ― o que há é, em muitos países, uma pequena percentagem de rapazes verdadeiramente brilhantes que fazem com que a média masculina suba). É o desempenho (generalizado) do sexo masculino na leitura ― aí sim, significativamente díspar ― que mais apreensão causa.
(…)
“No passado, as preocupações relacionadas com as diferenças entre sexos estavam centradas no défice de desempenho das mulheres. Entretanto, elas não só progrediram como ultrapassaram os homens em muitos aspectos, ao ponto de hoje, sobretudo nalguns países, as preocupações estarem todas viradas para as dificuldades dos rapazes”, lê-se no relatório.
(…)
Em suma, os países “não estão a ser bem sucedidos na eliminação das diferenças entre sexos”. Por isso, continua a OCDE, os fracos resultados que, globalmente, os rapazes obtêm são, cada vez mais, “um desafio para os decisores políticos”. Há alguns exemplos a seguir, como o da Coreia do Sul onde de uma maneira geral parece haver “uma ambiente de aprendizagem que beneficia ambos os sexos”. Resta agora saber porquê.


Andreia Sanches, in Público, 9 de Dezembro de 2001 (texto adaptado)



I


1. Explica, por palavras tuas, os resultados do estudo efectuado pela OCDE.

2. Refere o objectivo principal desse estudo.

3. Tendo tudo o anterior em conta, indica o papel que a escola poderá ter.

4. Indica as médias obtidas nos vários tipos de literacia.

5. Explica por que razão as diferenças médias na matemática, a favor dos rapazes, são ilusórias.

6. Comenta a seguinte afirmação: «Os resultados deste estudo sugerem uma grande mudança.»

7. A Coreia do Sul é citada como um bom exemplo. Porquê?


II


1. Retira do texto dois advérbios de modo e explica a sua formação.

2.
2.1. Identifica dois conectores no texto e refere a sua função na coesão textual.
2.2. Completa a frase usando um conector adequado:
Os resultados do estudo da OCDE devem ser tidos em conta …

3.
3.1. Identifica os tipos das frases seguintes:

a) Não gosto nada de ler!

b) As raparigas lêem mais do que os rapazes.

c) Gostaste desse livro?

d) Deves ler mais.

3.2. A partir das respostas dadas, formula as perguntas mais adequadas e indica se são interrogativas totais ou parciais.
a) Não, ainda não li esse livro.
b) Eu prefiro livros de aventuras.

4. Identifica a pessoa, o número, o tempo e o modo das formas verbais presentes na seguinte frase:
Os resultados do estudo da OCDE revelam que existiu uma alteração que os estudiosos do tema não suspeitavam.


III

Imagina que, enquanto delegado de turma, desejas organizar uma visita de estudo às instalações do Jornal Público, no âmbito do estudo do texto jornalístico, que está a ser desenvolvido na disciplina de Português.

1. De acordo com as regras que aprendeste, redige um Requerimento ao Director, solicitando a autorização para essa visita.