1.3.11

O coelho e os gigantes



Naquele tempo, o meu pai contava-me muitas histórias de gigantes. Eu não queria adormecer sozinho, de maneira que ele sentava-se na minha cama e entretinha-me, enquanto não chegava o João Pestana. A verdade é que o meu pai não sabia as histórias de cor e ia inven-tando, à medida que ia contando. Algumas histórias, que começavam sempre com «Era uma vez um gigante», desconfio que ele as inventou de uma ponta à outra.
Mas a partir do momento em que a história era contada eu não admitia variantes. Queria ali todos os pormenores. Acho que todos os miúdos têm esta atenta memória que contradiz e mete na ordem os adultos contadores, quando são distraídos.
Pois naquela altura saltitava lá por casa um coelhito malhado. Não era um desses coelhos anões, cinzentos e cheios de peneiras, armados em fidalgos, que se vendem agora nos centros comerciais. Não. Era um robusto coelho do campo, muito curioso, de narizito sempre a farejar, grande apreciador de cenouras.
Houve alguém que nos ofereceu aquele coelho, no pressuposto de que o destinaríamos à panela, com batatas e ervas cheirosas. Mas naquela nossa casa não havia ninguém capaz de sacrificar um animal, para mais simpático e dado ao convívio.
De início, ficou numa marquise. Todas as manhãs, quando se abria a porta da marquise vinha cumprimentar-nos, farejando-nos os pés e empinando-se a olhar para nós. Não tardou que circulasse por toda a casa e me fizesse companhia naquelas brincadeiras que demoravam o dia inteiro.
Era um coelho extremamente asseado. Tinha lá o seu sítio de recolhimento e fez questão de nunca deixar noutro lado aquelas bolinhas pretas e redondinhas que os coelhos costumam distribuir.
E bom companheiro que ele era. Tinha imenso jeito para andar nos carrinhos, ajudava a descarrilar o comboio de brinquedo, e admirava, com sinceridade, as maravilhosas obras de engenharia que eu construía com o meu «Meccano».
Eu já deixara de invejar os outros miúdos que tinham cães e gatos nos quintais. Nenhum se comparava ao meu coelho, nem sabia brincar com tanta classe.
Os homens são ingratos. Quando crescem, ainda mais. Imaginem que eu me esqueci completamente do nome do meu coelhinho. Certo é que ele acudia aos chamamentos e vinha de onde estivesse, saltitão, com o tufo peludo do rabito no ar. Eu podia agora improvisar um nome e fazer de conta que o bicho se chamava, por exemplo, «Pinóquio» ou «Lanzudo». Mas não quero inventar nada. Quero contar tudo como era. Esqueci-me do nome, passou-me, pronto!
Mas... um dia comecei a ouvir os adultos a segredar, lá em casa. Desconfiei logo que se tratava do meu coelho, e era mesmo. Um amigo, possuidor duma quinta, tinha-se oferecido para instalar o bicho no campo e os meus pais - com aquele irritante bom senso que compete aos mais crescidos - haviam considerado a proposta interessante. Sempre era melhor para o animal andar em liberdade, ao ar livre, entre arvoredos, na companhia dos seus iguais e das aves de capoeira... E quando eu protestava, com muita força, limitavam-se a abraçar-me e sorrir.
E lá levaram o coelhinho, aproveitando uma distracção minha. O que eu barafustei! Foi um tremendo desgosto. Ao deitar, não quis ouvir histórias de gigantes. Durante toda a noite chorei e exigi a devolução do meu companheiro. Em vão.
Espero que ele tenha sido feliz lá na tal quinta. Ainda hoje, quando vejo um orelhudo malhado a saltitar, pataludo, com os olhos vivos e o nariz sempre em acção, consolo-me sempre com a ideia de que pode ser um dos descendentes daquele saudoso coelhinho da minha infância. E quando contar aos meus netos histórias de gigantes, talvez introduza nos contos as peripécias de um herói orelhudo.


Mário de Carvalho, in Memórias da Infância.
Boletim Cultural da Fundação Calouste Gulbenkian, VIII série, n.° l, Dezembro de 1994



I

A. Responde com V (verdadeiro), F (falso) ou ? (sem informação) às seguintes afirmações e corrige as falsas:

1. O pai do narrador contava-lhe todas as noites histórias de gigantes.
2. O narrador exigia que as histórias fossem sempre contadas com a mesma exactidão, o mesmo rigor e os mesmos pormenores.
3. O coelho que vivia em casa do narrador era pequeno, cinzento e arrogante.
4. O coelho foi oferecido à família para fazer companhia à criança.
5. O lugar reservado ao coelho situava-se perto da cozinha.
6. O coelho fazia as suas necessidades no quintal.
7. O narrador lembra-se de brincar com o coelho e com o comboio eléctrico.
8. Os amigos do narrador também tinham animais de estimação.
9. Hoje, o narrador lembra-se de que bastava chamar um nome qualquer para que o coelho aparecesse logo.
10. Um dia, um amigo da família ofereceu-se para dar ao coelho a companhia de outros coelhos.
11. O narrador desconfiou, desde o início, do tipo de destino que estava reservado ao seu animal de estimação.
12. Os adultos levaram o coelho com a concordância do narrador.
13. Na noite em que o coelho partiu, o pai do narrador contou-lhe mais uma vez uma histó-ria de gigantes.
14. Sempre que o narrador vê um coelho, pensa no companheiro coelho da sua infância.
15. Traumatizado com o acontecimento que relata, o narrador decidiu deixar de ouvir e de contar histórias.


B. Escolhe a resposta mais adequada.

16. A história contada por Mário de Carvalho consiste numa experiência vivida pelo próprio
a. na infância, quando a sua mãe lhe lia aventuras para o entreter.
b. na idade adulta, quan-do começou a contar histórias aos netos.
c. quando era pequeno e alguém lhe ofereceu um comboio mecânico.
d. num tempo em que o seu pai lhe contava histórias para adormecer.

17. Segundo o autor, a atitude assumida pelos pais, relativamente ao destino a dar ao coelho, prende-se com o facto de
a. se quererem ver livres do animal.
b. acharem que o animal seria mais feliz no campo.
c. pensarem que o filho tinha de saber enfrentar uma perda.
d. desejarem agradar a um amigo da família.
18. Na sequência do acontecimento narrado, a relação que o narrador passou a ter com os coelhos caracteriza-se
a. pela esperança de que o seu coelho tenha sido feliz e tenha tido filhos.
b. pelo terror de pensar que o coelho foi morto para ser cozinhado e comido.
c. pela imaginação de que o seu coelho tenha ido para o circo fazer as habilidades que fazia com os seus brinquedos.
d. pela nostalgia dos tempos da infância.


II

Atenta no excerto seguinte:
«Sempre era melhor para o animal andar em liberdade, ao ar livre, entre arvoredos, na companhia dos seus iguais e das aves de capoeira... E quando eu protestava, com muita força, limitavam-se a abraçar-me e sorrir.»
a. Quantos períodos encontras neste excerto?
b. Delimita as orações em cada período.
c. Em que voz se encontra cada uma das orações que isolaste?
d. Indica a função sintáctica de: «melhor»; «eu»; «protestava»; «me».
e. Qual a classe (e subclasse) de palavras a que pertencem os elementos seguintes: «animal»; «seus»; «e»; «quando»; «sorrir».