27.11.10

Poema da Malta das Naus



1. O poema foi escrito na primeira pessoa.
1.1 Que profissão tem o sujeito poético?
Justifica a tua resposta com elementos textuais.
1.2 Que acontecimento é narrado?
Fundamenta a tua resposta com elementos textuais.

2. O texto descreve as aventuras e desventuras passadas no tempo dos descobrimentos marítimos.
2.1 Refere algumas das dificuldades que surgiram durante a viagem.
2.2 Demonstra, com dados textuais, de que forma o poema enaltece a coragem e a valentia do povo português.

3. Relê a última estrofe.
3.1 Explica o seu sentido.

4. Considera a estrutura formal do poema.
4.1 Por quantas estrofes é constituído?
4.1.1 Como se denominam estas quanto ao número de versos?
4.2 Faz o esquema rimático da primeira estrofe.
4.2.1 Como se classifica o tipo de rima utilizado? Justifica.
4.3 Realiza agora o esquema rimático da segunda estrofe.
4.3.1 Classifica o tipo de rima usado, justificando a tua resposta.

5. Que figura de estilo está presente nos seguintes versos?
«Dormi no dorso das vagas,» (v. 9)
«Com a mão esquerda benzi-me, / com a direita esganei.» (w. 17-18)
«Mil vezes no chão, bati-me, / outras mil me levantei.» (w. 1 9-20)
«alambique de suores.» (v. 26)

6. Diz qual o significado dos seguintes vocábulos.
a) feição
b) pelote
c) rebotalho
d) gibão
e) dorso
f) pelouros
g) zagaias
h) hirsuto
i) esganei
j) odres
l) alambique
m) impunemente

7. Atenta nas formas verbais do poema.
7.1 Qual é o tempo verbal mais utilizado? Porquê?
7.2 Transcreve três formas verbais conjugadas pronominalmente.
7.2.1 Reescreve-as no futuro do indicativo e no condicional.

8. Relê as seguintes frases.
a) «espetei-lhe um pau e um lençol.» (v. 2)
b) «deu-me o vento de feição,» (v. 5)
c) «mas quem mergulhou no fundo / do sonho, esse, fui eu.» (w. 31-32)
8.1 Classifica morfologicamente os cinco elementos destacados.

9. Transcreve do poema um pronome:
a) pessoal;
b) possessivo;
c) indefinido;
d) relativo.

10. Experimenta também contar em verso e na 1ª pessoa uma aventura que tenhas vivenciado ou que pertença ao reino da imaginação. Não te esqueças de atribuir um título ao teu poema.