19.11.10

Carta para Josefa, Minha Avó



1. O autor do texto dirige-se a Josefa, sua avó, imprimindo um forte tom de admiração face à forma como a sua vida decorreu. Faça o levantamento dos aspectos que o cronista mais admira e aqueles que menos compreende.

2. Escolha alguém da sua família, de uma geração mais recuada, e tente fazer, por escrito, um exercício idêntico: o que mais admira nessa pessoa e porquê? O que menos compreende nas suas atitudes ou no seu modo de ser e quais as suas razões?

3. O cronista sente, no entanto, que algo ficou por fazer no seu relacionamento com a avó Josefa.
3.1. Esclareça essa sua reflexão.
3.2. Não deixe que algo fique por fazer em relação a algum membro da sua família. Faça!

4. Um sopro lírico perpassa em toda a crónica.
4.1. Retire do texto as expressões que, segundo o seu ponto de vista, evidenciam uma maior intensidade lírica.
4.2. Refira os recursos expressivos que mais contribuem para intensificar o lirismo do texto.

5. «Para ti, a palavra Vietname é apenas um som bárbaro». (ll. 14-15)
5.1. Procure explicar as razões para a inserção desta palavra no contexto da crónica.
5.2. Investigue sobre esse país e sobre o seu papel na História recente da Humanidade para que, para si, a palavra não seja apenas um som.

6. Explique a classificação atribuída pelo próprio título do texto: carta.

7. Escreva uma carta a uma pessoa da sua família ou uma página do seu diário, deixando testemunho da sua relação afectiva com ela.