30.7.10

A Palavra Mágica


Nunca o Silvestre tinha tido uma pega com ninguém. Se às vezes guerreava, com palavras azedas para cá e para lá, era apenas com os fundos da própria consciência. Viúvo, sem filhos, dono de umas leiras herdadas, o que mais parecia inquietá-lo era a maneira de alijar bem depressa os dinheiros das rendas. Semeava tão facilmente as economias, que ninguém via naquilo um sintoma de pena ou de justiça — mesmo da velha —, mas apenas um desejo urgente de comodidade. Dar aliviava. Pregavam-lhe que o Paulino ia logo de casa dele derretê-lo em vinho, que o Carmelo não comprava nada livros ou cadernos ao filho que andava na instrução primária. Silvestre encolhia os ombros, não tinha nada com isso. As moedas rolavam-lhe para dentro da algibeira e com o mesmo impulso fatal rolavam para fora, deixando-lhe, no sítio, a paz.
Ora um domingo, o Silvestre ensarilhou-se, sem querer, numa disputa colérica com o Ramos da loja. Fora o caso que ao falar-se, no correr da conversa, em trabalhadores e salários, Silvestre deixou cair que, no seu entender, dada a carestia da vida, o trabalho de um homem de enxada não era de forma alguma bem pago. Mas disse-o sem um desejo de discórdia, facilmente, abertamente, com a mesma fatalidade clara de quem inspira e expira. Todavia o Ramos, ferido de espora, atacou de cabeça baixa:
- Que autoridade tem você para falar? Quem lhe encomendou o sermão?
- Homem! - clamava o Silvestre, de mão pacífica no ar. - Calma aí, se faz favor. Falei por falar.
- E a dar-lhe. Burro sou eu em ligar-lhe importância. Sabe lá você o que é a vida, sabe lá nada. Não tem filhos em casa, não tem quebreiras de cabeça. Assim, também eu.
- Faço o que posso - desabafou o outro.
- E eu a ligar-lhe. Realmente você é um pobre-diabo, Silvestre. Quem é parvo é quem o ouve. Você é um bom, afinal. Anda no mundo por ver andar os outros. Quem é você, Silvestre amigo? Um inócuo, no fim de contas. Um inócuo é o que você é.
Silvestre já se dispusera a ouvir tudo com resignação. Mas, à palavra "inócuo", estranha ao seu ouvido montanhês, tremeu. E à cautela, não o codilhassem por parvo, disse:
- Inoque será você.
Também o Ramos não via o fundo ao significado de "inócuo". Topara por acaso a palavra, num diá-logo aceso de folhetim, e gostara logo dela, por aquele sabor redondo a moca grossa de ferro, cravada de puas. Dois homens que assistiam ao barulho partiram logo dali, com o vocábulo ainda quente da refrega, a comunicá-lo à freguesia:
- Chamou-lhe tudo, o patife. Só porque o pobre entendia que a jorna de um homem é fraca. Que era um paz-de-alma. E um inoque.

Vergílio Ferreira, "A Palavra Mágica", in Contos



I

1. Em que pessoa acontece a narração?
1.1. Como classificas o narrador por esse motivo?

2. Redige o segundo parágrafo e a primeira fala do Ramos, iniciando-os assim: "Ora um Domingo, eu e o Silvestre..."
2.1. Que transformações se operaram:
2.1.1. a nível da morfologia?
2.1.2. a nível do narrador?

3. No decorrer do diálogo, uma das personagens manifesta uma alteração do seu estado de espírito.
3.1. Identifica-a.
3.2. Refere o vocábulo que nos ajuda a compreender essa mudança.
3.2.1. Classifica-o morfologicamente.

4. Transcreve a frase que nos permite concluir que o Ramos e o Silvestre estão de acordo em alguma coisa.

5. Explica, por palavras tuas, as expressões:
5.1. "ferido de espora";
5.2. "com o vocábulo ainda quente da refrega";
5.3. "era um paz-de-alma".

6. A que conto pertence este excerto?
6.1. Para que problemas sociais nos remete esse conto?
6.2. Considera-lo actual? Justifica.

7. Transcreve do texto:
a) um substantivo concreto;
b) um substantivo abstracto;
c) um adjectivo (refere o seu grau);
d) um adjectivo substantivado.

8. "Silvestre já se dispusera a ouvir tudo com resignação."
8.1. Transforma a expressão sublinhada numa palavra só que lhe seja equivalente.

9. Escreve a palavra "folhetim" no diminutivo.
9.1. Explica o processo de formação da nova palavra.

10. Por que razão a palavra "diálogo" é acentuada?


II

O texto refere-nos que muitas vezes as pessoas tentam impor as suas ideias, mesmo sem coerência.
Relata uma situação em que tenhas assistido a um diálogo "vivo" e no qual intervieste para os acalmar.