8.7.10

Na mão de Deus

Wallpapers god, papeis desktop image Jesus Christ Religion

(A Exma. Sra. D. Victoria de O. M.)

NA mão de Deus, na sua mão direita,
Descansou afinal meu coração.
Do palácio encantado da Olusão
Desci a passo e passo a escada estreita.

Como as flores mortais, com que se enfeita
A ignorância infantil, despojo vão,
Depus do Ideal e da Paixão
A forma transitória e imperfeita.

Como criança, em lôbrega jornada,
Que a mãe leva no colo agasalhada
E atravessa, sorrindo vagamente,

Selvas, mares, areias do deserto...
Dorme o teu sono, coração liberto,
Dorme na mão de Deus eternamente!

Antero de Quental


I

1. Compara o sentido dos versos l -2 com o dos versos 13-14.

2. Que outros dois versos sintetizam o mesmo sentido de renúncia?

3. Relativamente à ideia de renúncia, de resignação, selecciona:
- os verbos que melhor a traduzem;
- as comparações que a reforçam;

4. Relaciona sono e morte.


II

À renuncia contrapõe António Sérgio o desejo de evasão (cf. texto). Analisa esta interpretação.


«Na mão de Deus» - um desejo de evasão?
Enviando «Na mão de Deus», desde Vila do Conde, a um amigo, escrevia-lhe Antero: «O meu pessimismo tem-se desvanecido com esta vida contemplativa no meio da boa natureza». Com o presente poema convém confrontar as seguintes palavras, que são de outra carta: «a nossa vida... verdadeiramente é só a vida da nossa alma, do misterioso e sublime eu que somos no fundo: ora esse Eu ou essa alma tem a sua esfera na região do impessoal: o seu mundo é o da abnegação, da pureza, da paciência e do contentamento: na renúncia do indivíduo natural e de tudo quanto o limita, algema e obscurece é que consiste a sua misteriosa individualidade». É esta renúncia que transluz dos versos:
Depus do Ideal e da Paixão
A forma transitória e imperfeita;
porém, o conjunto do soneto não se harmoniza com a primeira parte do citado trecho, muito mais luminosa do que ele é: e para justificar que se classifique o poema como de evasão basta notar que o coração, aí, vai para a mão de Deus, é verdade - mas para nela dormir eternamente.

António Sérgio, Sonetos de Antero de Quental