11.6.10

Em Viagem


Pelo caminho estreito, aonde a custo
Se encontra uma só flor, ou ave, ou fonte,
Mas só bruta aridez de áspero monte
E os sóis e a febre do areal adusto,

Pelo caminho estreito entrei em susto
E sem susto encarei, vendo-os de fronte,
Fantasmas que surgiam do horizonte
A acometer meu coração robusto...

Quem sois vós, peregrinos singulares?
Dor, Tédio, Desenganos e Pesares...
Atrás deles a Morte espreita ainda...

Conheço-vos. Meus guias derradeiros
Sereis vós. Silenciosos companheiros,
Bem-vindos, pois, e tu; Morte, bem-vinda!

Antero de Quental




1. Atenta no percurso do eu.
1.1. Precisa o sentido do adjectivo em «caminho estreito».
1.2. Salienta a disforia da linguagem na caracterização desse percurso.
1.3. Trata-se de um caminho sem «flor, ou ave ou fonte». Que significado atribuis a este facto?
1.4. Explica o emprego da maiúscula nos vocábulos do verso 10.

2. Que papel se confere à Morte no poema?

3. «Viagem» é uma metáfora de quê?