5.6.10

DIÁRIO



Sexta-feira, 15 de Outubro
Dei o meu nome para a peça da escola. Vamos fazer A Importância de Se Chamar Ernesto de Oscar Wilde2.
Tenho testes na próxima segunda-feira. Espero ficar com o papel de Ernesto, apesar de a mãe achar que o saco de mão é o melhor papel. Ela julga que tem muita piada.

Segunda-feira, 18 de Outubro
O fim-de-semana foi chato, chato de mais para escrever alguma coisa sobre ele. O Sr. Golightly, professor de Teatro, mandou-me parar a meio do meu discurso do Henrique V3. Disse: «Ouve, Adrian, A Importância de se Chamar Ernesto é uma subtil comédia de costumes, não é um épico de guerra machista. Quero saber se és capaz de dizer uma tirada cómica na altura certa.» Deu-me um texto sobre a Estação de Vitória4 para ler, ouviu, depois dis-se: «Sim, serves.»
Decidi que vou ser actor quando crescer. Posso escrever os meus romances durante os intervalos dos ensaios.

Terça-feira, 19 de Outubro
A Sra. Singh acompanhou a minha mãe à clínica pré-natal hoje de manhã. O ginecologista disse-lhe que precisa de descansar mais ou então será obrigada a ir para o hospital e ficar na cama. O inchaço dos tornozelos é causado por tensão alta. Ela é velha à brava para ter um bebé, por isso os médicos estão a dar-lhe mais atenção, não vá ela morrer e arranjar-lhes problemas.

Quarta-feira, 20 de Outubro
Quando disse «olá» à Pandora5, na aula de Geografia, saiu-me um guincho e perdi o controle da voz. Fiquei calado o resto da aula.

Quinta-feira, 21 de Outubro
A mãe perguntou porque estou tão calado. Observou: «Mal disseste uma palavra desde o Blue Peter6. Passa-se alguma coisa?» Eu guinchei: «Não», e saí da sala.

Sexta-feira, 22 de Outubro
Não posso confiar na minha voz. Num minuto é forte e alta como a do lan Paisley1, no minuto seguinte é aguda e guinchante como a da Margaret Thatcher2 antes de ter lições de dicção numa agência de publicidade.

Sábado, 23 de Outubro
O Bert Baxter telefonou para me contar que o meu pai foi despedido dos Serviços da Man-power. Fiquei calado. O Bert disse: «Não tens nada a dizer?»
Gaguejei um «não» e pousei o telefone. Tenho de ir ao médico por causa da minha voz. Não pode ser normal sofrer assim.

Domingo, 24 de Outubro
Vigésimo Depois da Trindade
Acaba o Horário de Verão Inglês.
O cão enlouqueceu e rasgou todos os jornais de domingo. Não há qualquer explicação para este comportamento tão bizarro.
O hall estava coberto de bocados de notícias a dizer «Ken Livingstone defendeu hoje»... «Falklands3»... «orçamento trepa para setecentos milhões»... «Soldados israelitas olharam sem qualquer hipótese enquanto»... «inquérito sobre fechos de calças»... «Bombeiros aceitarão 7 1/2%, 8%, mas o ambiente é explosivo»...
Varri os bocadinhos, deitei-os para o caixote e fechei a tampa sobre os assuntos do mundo.

Segunda-feira, 25 de Outubro
Feriado (República da Irlanda)
Quarto Crescente
Depois de um dia de silêncio na escola levei a minha voz instável ao consultório do Dr. Gray. O Dr. Gray nem levantou os olhos da sua maldita escrita, só disse «sim?». Eu gaguejei e esganicei-me e larguei todos os meus medos acerca de não ter umas cordas vocais perfeitas.
«Já vem um bocado tarde, mas de qualquer maneira no todo és fisicamente imaturo. Devias praticar desporto e apanhar mais ar fresco.»
Perguntei quanto tempo mais ia durar a incerteza.
Ele disse: «Quem sabe? Eu não GB sou nenhum profeta, ou sou?»
Mal podia acreditar no que estava a ouvir. A primeira coisa que vou fazer quando sair da escola é fazer-me membro da BUPA4.
Desisti de A Importância de se Chamar Ernesto. Para representar é preciso ter uma voz de confiança, que eu não tenho.

Sue Townsend, Adrian Mole na Crise da Adolescência


Notas:
1 A Importância de se Chamar Ernesto: título original: The Importance of Being Earnest, formando um jogo de palavras entre Ernest(Ernesto) e earnest (sério).
2 Oscar Wilde: escritor inglês (1856-1900).
3 Henrique V: peça de teatro, de Shakespeare (1564-1613).
4 Estação de Vitória: estação de comboios em Londres.
5 Pandora: colega de turma de Adrian Mole.
6 Blue Peter. programa infantil da televisão inglesa. (Nota do tradutor)

1 lan Paisley. dirigente político dos protestantes da Irlanda do Norte.
2 Margaret Thatcher. primeira-ministra britânica entre 1979 e 1991.
3 Falklands: ilhas do Atlântico Sul, também chamadas Malvinas, pertencentes à Grã-Bretanha, mas cuja soberania é disputada pela Argentina.
4 BUPA: serviço privado de assistência médica. (Nota do tradutor)



I

1. Observa a mancha gráfica do texto: assinala a diferença mais notória relativamente aos textos em prosa anteriores e explica-a como característica de diário.

2. Atenta nos registos dos dias 15, 18 e 19 de Outubro.
2.1. Distingue factos, opiniões e sentimentos.
2.2. Com base nestes três registos iniciais, indica quatro traços caracterizadores de Adrian.

3. No dia 20 de Outubro, surge um problema na vida de Adrian.
3.1. De que problema se trata e como é que se revela?
3.2. Qual foi o seu desfecho? Explica as razões da indignação de Adrian face ao atendimento do Dr. Gray.

4. O registo de «Domingo, 24 de Outubro» tem um cariz diferente.
4.1. Porquê? Explica algumas das diferenças mais importantes.
4.2. Interpreta o sentido da frase: «Varri os bocadinhos, deitei-os para o caixote e fechei a tampa sobre os assuntos do mundo».

5. A datação dos registos deste diário apresenta algumas particularidades nos dias 24 e 25 de Outubro. Quais?

6. Os registos subsequentes ao do dia 19 de Outubro revelaram algo de novo sobre Adrian Mole? Explica o teu ponto de vista.

7. Que interesse tem, na tua opinião, um diário deste tipo? O teu diário é, ou seria, algo de semelhante ou de muito diferente? Porquê?


II

1. No excerto transcrito há expressões - como, por exemplo: «na próxima segunda-feira» - que remetem para o momento em que o texto foi produzido e que só em função dele podem ser interpretadas.
2.1. Faz o levantamento de outras expressões deste tipo ao longo do texto.
3.2. Que razão, ou razões, encontras para o uso de tais expressões num diário?