21.5.10

Poema à Mãe



No mais fundo de ti
Eu sei que te traí, mãe.

Tudo porque já não sou
O menino adormecido
No fundo dos teus olhos.

Tudo porque ignoras
Que há leitos onde o frio não se demora
E noites rumorosas de águas matinais.

Por isso, às vezes, as palavras que te digo
São duras, mãe,
E o nosso amor é infeliz.

Tudo porque perdi as rosas brancas
Que apertava junto ao coração
No retrato da moldura.

Se soubesses como ainda amo as rosas,
Talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
Que todo o meu corpo cresceu,
E até o meu coração
Ficou enorme, mãe!

Olha - queres ouvir-me? –
Às vezes ainda sou o menino
Que adormeceu nos teus olhos;

Ainda aperto contra o coração
Rosas tão brancas
Como as que tens na moldura;

Ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa
No meio do laranjal...

Mas - tu sabes - a noite é enorme,
E todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
Dei às aves os meus olhos a beber.

Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo as rosas.

Boa noite. Eu vou com as aves.

Eugénio de Andrade, Poesia


I

1. Neste poema, o poeta afirma «eu sei que traí, mãe.» (v. 2).
1.1 Explicita a forma como se revela essa «traição» na relação entre mãe e filho.

2. A imagem estática do «retrato adormecido» (v. 4) evolui para o dinamismo «Eu saída moldura» (v. 33).
2.1 Refere os factores que determinaram essa evolução.

3. Ao longo do poema está patente a dualidade perda / recuperação.
3.1 Indica o modo como se concretiza.
3.2 Refere a importância da reiteração do advérbio «ainda» (vs. 23, 25, 28).
3.3 Identifica a figura de estilo presente em «rosas tão brancas» (v. 26) e explicita o seu valor expressivo.

4. Interpreta a simbologia subjacente à referência a «aves» (v. 38).


II

1. Selecciona do texto dois conectares discursivos e classifica-os.

2. O percurso de vida do sujeito poético é expresso através de verbos que nos transportam para momentos diferentes.
2.1 Inventaria as formas verbais que se referem ao passado e as que se reportam ao presente.
2.2 Tira conclusões.

III

O crescimento de um adolescente implica transformações físicas e psicológicas, vividas, de modo mais ou menos consciente, pelo próprio e observadas com interesse pelos adultos, sobretudo por aqueles que lhe estão mais próximos (a família, os amigos). Muitas vezes, surgem dúvidas, conflitos e uma adaptação contínua às novas realidades.
Num texto autobiográfico, de 100 a 150 palavras, relembra as modificações que tens experienciado, ao longo da tua vida, bem como as mudanças nas relações com os teus familiares mais queridos.