12.5.10

Memórias



Certa manhã, finalmente, vimos o pai de Juanito. Quando atravessámos a colina do poste da energia eléctrica, iam ambos, ele e o garoto, um pouco adiante, cada um levando aos ombros um objecto que não pudemos identificar. Ele era um homem esgalgado, e mais alto me parecia, vestido de camisa escura, inflada por fora das calças, assim de vulto recortado sobre a lividez do amanhecer. Nenhum deles nos deu importância. A passada de Juanito imitava a do pai, a mesma cadência, a mesma sobrançaria de movimentos. Eles ali iam a encher o horizonte! E não sei que altivez, que majestade eles me transmitiram. Não fui o único, decerto, a reagir desse modo, pois o amuo da Maria Adélia, ao verificar que o ganapo lhe não respondia ao aceno («Olha o finório! Parece que vai ao lado de um rei»), teve para mini um significado idêntico.
Concordámos em barrar-lhes o caminho à entrada do bairro, e, então, o pai de Juanito ver-se-ia forçado a dialogar connosco. Havia muitas coisas a dizer, e, mais do que isso, a nossa curiosidade, aguçada nesses meses, bem merecia que o ensejo não fosse desperdiçado.
Mas nada decorreu como prevíamos. Eles deviam ter prosseguido a sua jornada, ou tê-la-iam desviado para se furtarem à nossa coscuvilhice, pois quando voltámos a encontrar Juanito is já o pai ia longe. «Foi caçar arrebelas» - disse o catraio. E bem notámos que mentia. Ainda hoje o que recordo do homem esgalgado é essa imagem fugaz de grandeza, a força da sua solidão ou do seu desdém, presas à minha memória como uma revelação, e não posso ajustá-lo ao que depois aconteceu.
O reencontro com Juanito, nessa manhã, deu-se em circunstâncias que muito decidiram das nossas intenções a seu respeito: uma criança chorou numa das barracas, alguém, lá dentro, a castigava do berreiro, embora o castigo apenas servisse para que o choro fosse mais bravo; e em certo momento, ouvida a perrice da criança por toda a colina, Juanito correu, desvairado, donde se ocultara, e ei-lo a procurar a irmã nas choças que mais vezes a abrigavam. No seu rosto houve ferocidade, pânico e, depois de tranquilizado («Não era ela! Não era ela!»), uma alegria sôfrega, convulsiva. Nunca o vira tão sociável e expansivo.

Fernando Namora, Retalhos da Vida de um Médico



I

1. Considera os seguintes tópicos:
a) mudança de intenções: a acção de Juanito
b) plano do narrador e da companheira
c) impressão presa na memória
d) fracasso do plano
e) impressão causada nos observadores
f) situação inicial
g) caracterização de Juanito e do pai

1.1 Ordena-os de acordo com a continuidade e a progressão do texto.
1.2 Delimita os momentos a que correspondem.

2. Explicita o sentido das afirmações:
a) «vulto recortado sobre a lividez do amanhecer»
b) «merecia que o ensejo não fosse desperdiçado»
c) «ouvida a perrice da criança por toda a colina»

3. O texto apresenta-nos uma situação que faz parte das vivências do narrador. Refere de que modo este se encontrava envolvido nela.
a) emocionalmente
b) circunstancialmente
c) socialmente
d) politicamente

4. Completa a seguinte grelha com elementos linguísticos do texto que remetem para a deixis pessoal, temporal e espacial.

Elementos linguísticos
Deixis pessoal eu (sujeito de enunciação)
Eu + Maria Amélia
Deixis temporal
Deixis espacial


4.1 A partir do quadro, tira conclusões sobre o carácter memorialista do texto.

5. Refere os sentimentos que se evidenciam face a Juanito e face a seu pai, nas recordações do narrador.


II

1. Substitui a conjunção «Quando» por uma locução de sentido equivalente.

2. Transforma em discurso indirecto a seguinte frase: «Olha o finório! Parece que vai ao lado de um rei»

3. «E bem notámos que mentia.»
3.1 Substitui «bem» por um vocábulo com sentido equivalente.
3.2 Integra o vocábulo na classe a que pertence.
3.3 A frase é:
a) subordinada adjectiva relativa.
b) subordinada substantiva completiva.
c) subordinada adverbial consecutiva.

4. Das palavras «fugaz» e «memória» forma palavras acrescentando-lhes sufixos derivacionais.

5. Atenta nas seguintes palavras:
a) «decerto» / de certo
b) «houve» / ouve
c) «vira» / virá
5.1 Escreve frases, usando cada uma das formas com propriedade vocabular.


III

Na escola, estabeleceste já alguns laços de amizade. Escreve um texto autobiográfico, de 100 a 150 palavras, sobre os teus amigos de infância.