2.4.10

Pedra Filosofal




Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso,
em serenos sobressaltos
como estes pinheiros altos
que em verde e ouro se agitam
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma. é fermento,
bichinho alacre e sedento.
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel.
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa dos ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
para-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra som televisão
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre a mãos de uma criança.

António Gedeão



1. «Eles não sabem...»
1.1 Identifique o sujeito desta oração.
1.2 Embora expresso, esse sujeito, quanto ao significado, pode considerar-se indeterminado. Desenvolva esta afirmação, com a qual poderá (ou não) estar de acordo.
1.3 Registe os passos do poema em que a oração «eles não sabem» aparece repetida.
1.4 Refira-se ao valor dessa repetição.
1.5 Identifique a figura de estilo verificada em 1.3.

2. O sonho é o assunto do texto.
2.1 Explique a definição de «sonho» contida nos vv. 2-4.
2.2 Refira-se, comentando-o, ao paradoxo aparente que essa definição encerra.

3. A 1.a estrofe encerra uma série de comparações.
3.1 Releia os vv. 5-12 da 1ª estrofe. Faça o levantamento dos vocábulos que transmitem a sensação visual da cor.
3.2 Classifique morfologicamente esses vocábulos.
3.3 Faça o levantamento, nos versos referidos, dos restantes vocábulos da mesma classe morfológica.
3.4 Refira-se, comentando-a, à carga semântica que esses vocábulos transmitem: sere-nidade, repouso, proximidade do céu.
3.5 Faça o levantamento das formas verbais presentes nos versos indicados.
3.6 Identifique o tempo e o modo em que se encontram.
3.7 Justifique o recurso a esse tempo e modo.
3.8 Nessas formas verbais, comente, sob o ponto de vista semântico, as dicotomias serenidade/sobressalto e silêncio/som.
3.9 Faça o levantamento dos substantivos que encontra nesses versos.
3.10 Indique um substantivo que refira o aspecto estático da natureza e um outro que registe o seu aspecto dinâmico.
3.11 Com base apenas na 1ª estrofe, comente a seguinte afirmação: «0 sonho está em todo o lado: no homem, na natureza...»

4. A 2ª estrofe afirma que o sonho é a transformação, movimento constante, sede de mudança.
4.1 Comente a afirmação anterior.
4.2 Indique, nessa estrofe, um vocábulo que refira cada um desses aspectos: transfor-mação, movimento constante, sede de mudança.

5. Releia com muita atenção a terceira estrofe do poema. Nela há sucessivas respostas à pergunta «que é o sonho?)). O sonho é Arte, História, Ciência, Técnica.
5.1 Delimite, nessa estrofe, os versos que transmitem essas quatro respostas.
5.2 Indique as formas de arte que são focadas pelo poeta.
5.3 No bloco de versos referente à História, verifique e comente a ordenação cronológica dos elementos que constituem a extensa enumeração.
5.4 Identifique elementos que refiram:
5.4.1 O gosto pela aventura, pelo desconhecido, pelo perigo;
5.4.2 a época dos Descobrimentos;
5.4.3 o teatro.
5.5 Releia o conjunto de versos que afirma ser O sonho ciência e técnica. Comente a ordenação dos elementos, de forma a historiar os êxitos progressivos nos domínios foca-dos.
5.6 Localize no poema referência à conquista do mar; à conquista do ar, velho sonho de Ícaro; à conquista do espaço.
5.7 No que diz respeito a este último aspecto -a conquista do espaço -verifique que se tratava, no momento em que o poema foi escrito (1956), de um verdadeiro sonho. O «desembarque (...) na superfície lunar» só se realizou em 1969.
5.7.1 Comente o significado e o valor desta antecipação/sonho do poeta.
5.8 Faça o levantamento de tecnicismos na última estrofe.
5.9 Comente o recurso a esses tecnicismos em poesia.
5.10 Atente no símbolo «Infante» (v. 28).
5.10.1 Diga qual a conotação desse vocábulo.
5.10.2 Refira-se às várias conotações que o vocábulo encerra.
5.11 Comente o significado de outro símbolo: «Cabo da Boa Esperança», no verso 30.

6. Elabore uma lista de dez/doze substantivos que, com base na análise do poema feita até este momento, lhe pareça que definem o conceito de «sonho».

7. Retome a questão que serviu de ponto de partida para este trabalho sobre o poema, de que relerá atentamente os últimos 6 versos.
7.1 Divida e classifique as orações desses versos.
7.2 Explique de que modo esses versos ajudam a definir e caracterizar o sujeito «eles».
7.3 «Eles não sabem, nem sonham» (v. 43). Não sonhando, «eles» estão contra o movimento, a arte, o progresso, em suma, estão contra o Amor. Justifique e desenvolva a afirmação anterior.
7.4 Explique a relação de causa/efeito que o poeta estabelece entre o(s) sonho(s) do Homem e o avanço do mundo.
7.5 Identifique a figura de estilo presente nos dois últimos versos.
7.6 Comente a possível intenção do poeta quando identifica o homem que sonha com a criança que brinca.
7.7 Refira os vocábulos que, nestes últimos versos, transportam uma carga semântica de inocência, deslumbramento; alegria; movimento.
7.8 «o mundo pula e avança»
7.8.1 Comente a escolha do verbo «pular» para traduzir o movimento que o sonho imprime à marcha do mundo.

8. Atente na estrutura formal do poema. Registe
8.1 Número de estrofes;
8.2 Número de sílabas métricas de cada verso.
8.3 Faça o esquema rimático da 1.ª estrofe.
8.4 Dê exemplos, recolhidos no poema, de rima emparelhada, rima cruzada e rima interpolada.