24.3.10

Prece

Leia o poema, com atenção, e elabore um comentário tendo em conta os tópicos propostos:


XII. PRECE

Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silêncio hostil,
O mar universal e a saudade.

Mas a chama, que a vida em nós criou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguê-la ainda.

Dá o sopro, a aragem — ou desgraça ou ânsia —
Com que a chama do esforço se remoça,
E outra vez conquistaremos a Distância —
Do mar ou outra, mas que seja nossa!

Fernando Pessoa, Mensagem

I

1. Estado do sujeito no passado e no presente
2. Esperança que ainda resta
3. Sentido da prece no contexto do Quinto Império
4. Marca de expressividade



II

Álvaro de Campos é um engenheiro naval estrangeirado e deprimido.
Alberto Caeiro é «ignorante da vida e quase ignorante das letras, quase sem convívio nem cultura...»

Num texto entre 40-50 palavras, diferencie estes dois heterónimos de Fernando Pessoa salientando o sensacionismo em cada um.


Pessoa5_-Jjoaolroth.gif mensagem1 image by ameliapais