30.3.10

A Palavra Mágica

Nunca o Silvestre tinha tido uma pega com ninguém. Se às vezes guerreava, com palavras azedas para cá e para lá, era apenas com os fundos da própria consciência. Viúvo, sem filhos, dono de umas leiras herdadas, o que mais parecia inquietá-lo era a maneira de alijar bem depressa os dinheiros das rendas. Semeava tão facilmente as economias, que ninguém via naquilo um sintoma de pena ou de justiça ─ mesmo da velha ─ mas apenas um desejo urgente de comodidade. Dar aliviava. (…)
Ora um domingo, o Silvestre ensarilhou-se, sem querer, numa disputa colérica com o Ramos da loja. Fora o caso que ao falar-se, no correr da conversa, em trabalhadores e salários, Silvestre deixou cair que, no seu entender, dada a carestia da vida, o trabalho de um homem de enxada não era de forma alguma bem pago. Mas disse-o sem um desejo de discórdia, facilmente, abertamente, com a mesma fatalidade clara de quem inspira e expira. Todavia o Ramos, ferido de espora, atacou de cabeça baixa:
- Que autoridade tem você para falar? Quem lhe encomendou o sermão?
- Homem! - clamava o Silvestre, de mão pacífica no ar. - Calma aí, se faz favor. Falei por falar.
- E a dar-lhe. Burro sou eu em ligar-lhe importância. Sabe lá você o que é a vida, sabe lá nada. Não tem filhos em casa, não tem quebreiras de cabeça. Assim, também eu.
- Faço o que posso - desabafou o outro.
- E eu a ligar-lhe. Realmente você é um pobre-diabo, Silvestre. Quem é parvo é quem o ouve. Você é um bom, afinal. Anda no mundo por ver andar os outros. Quem é você, Silvestre amigo? Um inócuo, no fim de contas. Um inócuo é o que você é.
Silvestre já se dispusera a ouvir tudo com resignação. Mas, à palavra «inócuo», estranha ao seu ouvido montanhês, tremeu. E à cautela, não o codilhassem por parvo, disse:
- Inoque será você.
Também o Ramos não via o fundo ao significado de «inócuo». Topara por acaso a palavra, num diálogo aceso de folhetim, e gostara logo dela, por aquele sabor redondo a moca grossa de ferro, cravada de puas. Dois homens que assistiam ao barulho partiram logo dali, com o vocábulo ainda quente da refrega, a comunicá-lo à freguesia:
- Chamou-lhe tudo, o patife. Só porque o pobre entendia que a jorna de um homem é fraca. Que era um paz-de-alma. E um inoque.
- Que é isso de inoque?
- Coisa boa não é. Queria ele dizer na sua que Silvestre não trabalhava, que era um lom-beiro, um vadio.
Como nesse dia, que era domingo, Paulino entrara em casa com a bebedeira do seu descan-so, a mulher praguejou, como estava previsto, e cobriu o homem de insultos como não estava inteiramente previsto:
- Seu bêbedo ordinário. Seu inoque reles.
Quando a palavra caiu da boca da mulher, vinha já tinta de carrascão. E desde aí, inoque significou, como é de ver, vadio e bêbedo.

(…)

in Contos de Vergílio Ferreira


I

1 – Expressa, por palavras tuas, qual a situação que provocou, em todo o conto, o mal-entendido que se gerou à volta da palavra «inócuo».

2 – Explica porque é que a palavra «inócuo», ao longo do conto, se transformará na “palavra mágica”.

3 – A palavra «inócuo» transformou-se ao nível do significado.
3.1 – Indica quais são os dois significados atribuídos à palavra neste texto.
3.2 – Escreve mais seis significados que lhe são aplicados ao longo do conto.
3.3 – Diz qual é a verdadeira definição dessa palavra e a classe gramatical a que pertence.

4 – Ao nível da pronúncia, a palavra «inócuo» derivou para dois novos termos. Aponta quais são esses termos.

5 – No diálogo entre os dois homens e a sua freguesia, um deles irá usar uma expressão que alterará o verdadeiro significado da palavra «inócuo». Transcreve do texto essa expressão.

6 – Localiza no tempo e no espaço o início do mal-entendido que se instalará na aldeia.

7 – Atenta na personagem Silvestre. Faz a sua caracterização física e psicológica.

8 – Indica o tipo de narrador quanto à sua presença.


II

1 – Explicita o significado principal das seguintes palavras:
a) caldeireiro
b) cróia
c) incendiário
d) parricida
e) taberneiro

2 – Descobre os nove pares de sinónimos que se encontram entre as palavras que se seguem:

pega comodidade desarmonia complicar preocupação conforto pobre-diabo ensarilhar carestia quebreira briga carência sintoma discórdia lombeiro infeliz indício indolente


III

1 – Lê atentamente o excerto que se segue:

“ (…) Dias depois, porém, um colega precisou de o insultar, e arremessou-lhe outra vez com o termo nefando. Toda a gente conhecia já a opinião do dicionário. Mas o furor era sempre mais forte do que um simples livro impresso.
Pelo que, nessa noite, o filho do Gomes não dormiu, preocupado apenas em descobrir uma maneira eficaz de esborrachar o colega, para ter mais tento na língua.”

in Contos de Vergílio Ferreira


Tomando em consideração o sucedido no conto “A Palavra Mágica”, desenvolve num texto cuidado e coerente e cujo conteúdo procure mostrar a maneira eficaz que o filho do Gomes descobriu para fazer com que o seu colega tivesse “mais tento na língua”.