27.3.10

O Velho e o Mar


Era um velho que pescava sozinho num esquife na Corrente do Golfo, e saíra havia já por oitenta e quatro dias sem apanhar um peixe. Nos primeiros quarenta dias um rapaz fora com ele. Mas, após quarenta dias sem um peixe, os pais do rapaz disseram a este que o velho estava definitivamente e declaradamente salao , o que é a pior forma de azar, e o rapaz fora por ordem deles para outro barco que na primeira semana logo apanhou três belos peixes. Fazia tristeza ao rapaz ver todos os dias o velho voltar com o esquife vazio e sempre descia a ajudá-lo a trazer as linhas arrumadas ou o croque e o arpão e a vela enrolada no mastro. A vela estava remendada com quatro velhos sacos de farinha e assim ferrada parecia o estandarte da perpétua derrota.

O velho era magro e seco, com profundas rugas na parte de trás do pescoço. As manchas castanhas do benigno cancro da pele que o sol provoca ao reflectir-se no mar dos trópicos viam-se-lhe no rosto. As manchas iam pelos lados da cara abaixo e as mãos dele tinham as cicatrizes profundamente sulcadas que o manejo das linhas com peixe graúdo dá. Mas nenhuma destas cicatrizes era recente. Eram antigas como erosões num deserto sem peixes.
Tudo nele e dele era velho, menos os olhos, que eram da cor do mar e alegres e não vencidos.
- Santiago - disse o rapaz, ao virem da praia para onde fora alado o esquife.- Posso tornar a ir contigo. Já ganhámos algum dinheiro.
O velho ensinara o rapaz a pescar e o rapaz gostava muito dele.




Navegavam bem, e o velho mergulhou as mãos na água salgada e fez por manter claras as ideias. Havia altos cúmulos e bastantes cirros por cima deles, e o velho sabia que assim a brisa duraria a noite inteira. Fitava constantemente o peixe, para ter a certeza de que era verdade. Não passara uma hora quando o primeiro tubarão o mordeu.
O tubarão não era acidental. Viera de muito fundo, ao dispersar-se no mar a escura nuvem de sangue. Ascendera tão rapidamente e tão absolutamente sem cautelas, que abriu a superfície das águas azuis e apareceu ao sol. Caiu depois no mar e farejou e começou a nadar na esteira do esquife e do peixe.
Por vezes perdia o cheiro. Tornava, porém, a dar com ele, ou a sentir apenas um vago rasto, e nadava rapidamente na esteira. Era um enorme "mako", feito para nadar tão velozmente como o mais veloz peixe dos mares, e tudo nele era belo excepto as queixa-das. O dorso era azul como o de um espadarte, a barriga prateada, e os flancos macios e belos. Era tal qual um espadarte, com a diferença das medonhas queixadas que levava cerradas ao nadar veloz, logo abaixo da superfície, com a alta barbatana dorsal anavalhando as águas sem vacilar. Dentro dos lábios apertados, as oito ordens de dentes inclinavam-se para o interior da boca. Não eram os vulgares dentes piramidais da maior parte dos tubarões. Eram como os dedos de uma mão humana quando crispada em garra. Eram quase tão compridos como os dedos do velho e afiados como navalhas dos dois lados. Eis um peixe feito para comer todos os peixes do mar, mesmo os velozes e fortes e bem armados, que outro inimigo não têm. Aí vinha ele por ter cheirado melhor, e a barbatana dorsal azul cortava as águas.
Quando o velho o viu vir, reconheceu que era um tubarão que nada temia e havia de fazer exactamente o que lhe apetecia.

Ernest Hemingway, O velho e o Mar
(tradução de Jorge de Sena)





1. No 1.º excerto, apresenta-se a personagem principal. A sua caracterização é principalmente física:
A) magro, seco, com rugas, pele manchada e olhos cor de mar.
B) velho, magro, seco e olhos alegres.
C) magro, seco, mãos com cicatrizes e olhar persistente.
D) magro, seco, tolo e azarado.

2. Há um aspecto positivo que é realçado na caracterização do velho:
A) "... com profundas rugas na parte de trás do pescoço".
B) " Mas nenhuma destas cicatrizes era recente".
C) "... olhos alegres... e não vencidos".
D) "As manchas castanhas do benigno cancro da pele..."

3. O rapaz gostava muito do velho porque:
A) o velho era muito simpático.
B) ele tinha muita experiência.
C) ele o ensinara a pescar.
D) os outros o desprezavam.

4. O pai do rapaz proíbe-o de continuar a ir à pesca com o velho porque:
A) o velho era uma má companhia.
B) o rapaz corria perigo de vida ao acompanhá-lo.
C) o velho demonstrava estar louco.
D) o velho já não pescava nada.

5. A frase "... o velho estava definitivamente e declaradamente salao..." significa que o velho:
A) estava completamente louco.
B) mostrava sinais de senilidade.
C) sendo azarado, não conseguia pescar nada.
D) precisava de alguém que o ajudasse.

6. A frase coordenada copulativa "O velho ensinara o rapaz a pescar e o rapaz gostava muito dele." poderá ser transformada numa frase ligada por subordinação causal:
A) O rapaz gostava muito dele porque ele o ensinara a pescar.
B) Quando o velho o ensinou a pescar, o rapaz passou a gostar muito dele.
C) O rapaz gostava muito que ele o ensinasse a pescar apesar de ser velho.
D) Muito embora fosse velho, ele ensinou o rapaz a pescar.

7. O 2.º excerto foca o aparecimento de um tubarão. Antes disto suceder, o velho:
A) lava-se com água salgada e fita somente o mar.
B) adormece por breves instantes e sonha com um grande peixe.
C) lava as mãos no mar e observa o céu limpo e sem nuvens.
D) tenta manter-se acordado e observa atentamente o céu e o peixe.

8. O comportamento do velho justifica-se, porque ele:
A) sabia que o esperava uma longa e difícil tarefa.
B) tinha medo do que pudesse surgir das profundezas do mar.
C) receava perder-se no meio do mar.
D) sabia que uma tempestade se aproximava.

9. O tubarão surge repentinamente porque:
A) ouviu movimentos à superfície.
B) sentiu o cheiro do pescador.
C) farejou o peixe preso ao barco.
D) foi atraído pelos raios de sol.

10. As sensações presentes na descrição do tubarão são:
A) visuais e olfactivas.
B) visuais e tácteis.
C) tácteis e gustativas.
D) gustativas e olfactivas.

11. A figura de estilo mais utilizada para realçar algumas das características do tubarão é a:
A) comparação.
B) metáfora.
C) hipérbole
d) antítese.

12. A comparação "Eram como os dedos de uma mão humana quando crispada em garra." acentua:
A) as características humanas do tubarão.
B) o aspecto selvagem dos humanos.
C) a malvadez do ser humano.
D) toda a agressividade do animal.

13. A descrição do tubarão está marcada pela subjectividade através do uso:
A) das comparações e da adjectivação.
B) das hipérboles.
C) das metáforas e antíteses.
D) dos substantivos e tempos verbais.

14. Uma expressão que comprova a determinação do tubarão é:
A) "... nadava rapidamente na esteira".
B) "... anavalhando as águas sem vacilar".
C) "... como o mais veloz peixe dos mares...".
D) "Eis um peixe feito para comer todos os peixes do mar...".

15. A oração "... que nada temia..." é subordinada:
A) relativa.
B) integrante.
C) consecutiva.
D) final.

16. A palavra "que", na questão anterior, morfologicamente, é:
A) uma conjunção.
B) uma preposição.
C) um advérbio.
D) um pronome relativo.

17. O aspecto verbal na expressão "... havia de fazer..." é:
A) durativo.
B) frequentativo.
C) conclusivo.
D) incoativo.

18. O aspecto dessa forma verbal está expresso pelo uso:
A) de uma forma verbal simples.
B) do sufixo verbal -ia.
C) da conjugação passiva.
D) da conjugação perifrástica.

19. O modo de apresentação dominante nestes excertos é:
A) narração.
B) o diálogo.
C) a descrição.
D) o monólogo.

20. O narrador deste texto é:
A) participante e objectivo.
B) não participante e subjectivo.
C) não participante e objectivo.
D) participante e subjectivo.