25.3.10

Aurora



A poesia não é voz - é uma inflexão.
Dizer, diz tudo a prosa. No verso
nada se acrescenta a nada, somente
um jeito impalpável dá figura
ao sonho de cada um, expectativa
das formas por achar. No verso nasce
à palavra uma verdade que não acha
entre os escombros da prosa o seu caminho.
E aos homens um sentido que não há
nos gestos nem nas coisas:

voo sem pássaro dentro.

Adolfo Casais Monteiro


1. O texto «Aurora» é a expressão da caracterização de dois modos literários. Identifica-os.

2. Qual é a palavra que, de imediato, caracteriza este texto como poético, tendo em conta que, segundo o poeta, essa palavra identifica a forma de expressão da poesia?

3. Atenta no 1° e 2.º versos e em parte do 3° a poesia não é voz - «é uma inflexão Dizer, diz tudo a prosa No verso nada se acrescenta a nada (...)»

4. Que relação o eu lírico estabelece entre os dois modos literários anteriormente identificados?