31.3.10

Arroz do Céu



Ora, à esquina de certa rua, no Uptown, há uma igreja, a de São João Baptista e do Santíssimo Sacramento, a todo o comprimento de cuja fachada barroca e cinzenta os respiradouros do sub-way formam uma longa plataforma de aço arrendado. Os casamentos são frequentes, ali, por ser chique a paróquia e imponente a igreja. O arroz chove às cabazadas em cima dos noivos, à saída da cerimónia, num grande estrago de alegria. Metade dele some-se logo pelas grelhas dos respiradouros, outra parte fica espalhada nas placas de cimento do passeio. Depois dos casamentos, o sacristão ou porteiro da igreja, de cigarro ao canto da boca, varre o arroz para dentro das grades, por comodidade. Provavelmente é irlandês, o arroz não lhe interessa, nem se ocupa de pombos: pombos é lá com os italianos, que, apesar de se dizerem católicos, são uma espécie de pagãos. O que se derramou no pavimento da rua,lá fica:é com os varredores municipais.[...]
Aquela chuva de grãos atravessa as grades, resvala no plano inclinado do respiradouro, e, se não adere à sujidade pegajosa ou ao chewing gum (o bairro é pouco dado a mastigar o chicle), ressalta para dentro do subterrâneo, numa estreita passagem de serviço vedada aos passageiros.
A primeira vez que viu aquele arroz derramado no chão, e sentiu os bagos a estalar-lhe debaixo das botifarras, o limpa-vias não fez caso; varreu-os com o resto do lixo para dentro do saco cilíndrico, com um aro na boca. Mas como ia agora por ali com mais frequência, notou que a coisa se repetia. O arroz limpo e polido brilhava como as pérolas de mil colares desfeitos no escuro da galeria. O homem matutou: donde é que viria tanto arroz? Intrigado, ergue os olhos pela primeira vez para o Alto [...]. Mas o respiradouro, [...] e a grade, ela própria, ficava-lhe invisível do interior. Era dali, com certeza, que caía o arroz, como as moedas, a poeira, a água da chuva e o resto. O limpa-vias encolheu os ombros,sem entender. Desconhecia os ritos e as elegâncias. No casamento dele não tinha havido arroz de qualidade nenhuma, nem cru, nem doce, nem de galinha.
Até que um dia, depois de olhar em roda, não andasse alguém a espiá-lo, abaixou-se, ajuntou os bagos com a mão, num montículo, e encheu com eles um bolso do macaco. Chegado a casa, a mulher cruzou as mãos de assombro: alvo, carolino, de primeira!

José Rodrigues Migueis, Gente da Terceira Classe


I

1.Indica a cidade onde a acção se desenrola.
2.Há, no texto, referência a dois espaços distintos. Refere-os.
3. Identifica o herói.

II

1. «Depois dos casamentos, o sacristão ou porteiro da igreja, de cigarro ao canto da boca, varre o arroz para dentro das grades, por comodidade.»
1.1. Caracteriza o sacristão, tendo em conta o seu comportamento.
1.2. Escreve urna frase, onde o nome «sacristão» apareça no plural.
1.3.0 limpa-vias não tem conhecimento do que faz o sacristão. Porquê?

2. «Provavelmente é irlandês, [...] pombos é lá com os italianos, que, apesar de se dizerem católicos, são uma espécie de pagãos.»
2.1. Faz uma frase com o plural de «irlandês».
2.2. Faz o plural dos adjectivos abaixo apresentados.
-alemão
- catalão
- dinamarquês
- espanhol
- hindu
- zulu
2.3. Escreve os mesmos adjectivos no feminino singular.
2.4. Copia, no feminino, a frase sublinhada em 2.
2.5. Completa os espaços abaixo com emigrante(s)/imigrante(s).
Um primo do sacristão disse, em Besfast, a um amigo que o primo era nos Estados Unidos.
Os Estados Unidos têm muitos árabes, lituanos, italianos, portugueses, etc.

3. Atenta nestas frases:
(1) «Aquela chuva de grãos atravessa as grades, [...] num estreita passagem de serviço vedada aos passageiros.»
(2) «O arroz limpo e polido brilhava como as pérolas de mil colares desfeitos no escuro da gale-ria.»
(3) «O homem matutou: donde é que viria tanto arroz?»
3.1. Regista um sinónimo para cada uma das palavras sublinhadas.
3.2. Relê a frase (2).
3.2.1. Identifica o recurso expressivo aí presente.
3.2.2. Releva o contraste posto em evidência na frase (2).
3.3. Compara a utilidade do arroz nos casamentos com a que o limpa-vias lhe dá.

4. Reconta a história, começando-a por «Era uma vez um limpa-vias».

5. Explica o título atribuído ao conto.