4.2.10

Violoncelo

(A Carlos Amaro)

Chorai arcadas
Do violoncelo!
Convulsionadas,
Pontes aladas
De pesadelo...

De que esvoaçam,
Brancos, os arcos...
Por baixo passam,
Se despedaçam,
No rio, os barcos.

Fundas, soluçam
Caudais de choro...
Que ruínas (ouçam)!
Se se debruçam,
Que sorvedouro!...

Trémulos astros...
Soidões lacustres...
– Lemos e mastros...
E os alabastros
Dos balaústres!

Urnas quebradas!
Blocos de gelo...
– Chorai arcadas,
Despedaçadas,
Do violoncelo.

Camilo Pessanha


I

1. "De la musique avant toute chose", afirmou Verlaine na sua "Art Poétique" (1884). O poema em análise parece dar corpo a tal princípio. Com efeito, é a partir das associações intuitivas que o som grave do violoncelo provoca que todo o poema se constrói.
1.1. "Chorai, arcadas": o carácter triste da música é-nos revelado apenas através da associação intuitiva, portanto, subjectiva, entre o som do violoncelo e o sentimento da dor.
1.2. Arcadas significa passagem repetida do arco sobre as cordas do violoncelo e uma série de arcos: arcaria, conjunto de arcos. Por duas razões as " arcadas" trouxeram ou evocaram a imagem das "pontes". Indica-as.
1.3. E a música segue em ondulação contínua, verso a verso e quintilha a quintilha. Esta ondulação tem que ver com a passagem rápida das imagens: arcadas, pontes, rio. Explica essa associação de tais imagens.
1.4. O movimento rápido de água gera a imagem do despedaçar. Como é que o poeta conseguiu transmitir a pausa na música e nas imagens?
1.5. À pausa, sucede de novo a música, mas o tom escurece, a impressão de tristeza aumenta. Como? Atenta que o rio passou a caudal e o chorar a soluçar, entre outras coisas.
1.6. As imagens sucedem-se, repetem-se, como as ondas musicais ou os círculos das ondas das águas do rio. E é a imagem das ruínas que emerge nas últimas estrofes: o movimento da música abranda, sugerido pela ausência de verbos e ausência de luz. O que pretenderá exprimir o poeta?

2. Repara no percurso:


2.1. Que imagem nos fica de tal percurso?

3. As sinestesias são, como sabemos, um recurso expressivo exigido pela estética simbolista.
3.1. Faz o levantamento das expressões que realizam sinestesias.
3.2. Salienta a sua expressividade.

4. Finalmente, qual será o tema que o poeta quis sugerir?