3.2.10

Imagens que passais pela retina




(A João Jardim)

Imagens que passais pela retina
dos meus olhos, porque não vos fixais?
Que passais como a água cristalina
por uma fonte para nunca mais!....

Ou para o lago escuro onde termina
Vosso curso, silente de juncais,
E o vago medo angustioso domina,
- Porque ides sem mim, não me levais?

Sem vós o que são os meus olhos abertos?
- O espelho inútil, meus olhos pagãos!
Aridez de sucessivos desertos...

Fica sequer, sombra das minhas mãos,
Flexão casual de meus dedos incertos,
- Estranha sombra e movimentos vãos.

Camilo Pessanha


I

1. A componente fónica é nos textos simbolistas carregada de expressividade e de musicalidade. Por isso, merecem uma atenção especial os elementos seguintes:
-versos decassilábicos, rima grave e aguda, cruzada, transportes nas duas quadras;
-predominância de sons sibilantes, sugerindo o fluir do tempo;
- a rima em -ais: sugestão de espanto;
- a rima em -ina: sugestão de grito;
- a rima em -aos: sugestão de negrume, falência,
- predomínio do som /i/ nas quadras e a sua redução nos tercetos, sugerindo, respectivamente, ansiedade forte e redução dessa ansiedade;
- frequência dos sons nasais: conotação de negatividade;
- musicalidade, conseguida pela repetição de vogais e ditongos. Todos estes dados são conjugados habilmente para criar uma atmosfera de inquietação e de desalento face ao fluir do tempo.

2. A componente morfossintáctica
As ideias são expressas em palavras e estas organizadas segundo regras gramaticais. Por isso, é preciso conhecer os elementos do nível morfossintáctico:
-os verbos que traduzem movimento contrapõem-se aos que indicam estabiildade: passais, ides, levais, lixais, termina, domina, fica. Assim, os verbos dinâmicos são anulados pelos estáticos, sugerindo que o movimento das imagens é permanente, só terminando na morte;
- a ligação sintáctica de vocábulos abstractos/concretos ou concretos/abstractos: olhos pagãos, aridez de desertos, espelho inútil, dedos incertos, sombra das mãos, movimento vão. Os elementos abstractos destroem os concretos, sugerindo o niilismo que se encontra sintetizado no sintagma "lago escuro";
-três frases interrogativas, sugerindo angústia;
- duas frases exclamativas ligadas a signos reticentes, sugerindo ansiedade, espanto perante o impossível;
- abundância de marcas do sujeito poético: meus, m/m, me, vós, meu, minha, sugerindo o obsessão da posse que não consegue realizar.

3. A componente semântica
Todos os dados anteriores terão de ser confirmados pelas figuras deste nível:
- predomínio de imagens simbólicas: espelho inútil —» aridez; fonte para nunca mais —> morte; como água cristalina —> fluir perfeito; lago escuro —> morte;
- imagens criadas pelo uso das sibilantes, dos sons nasais e da vogal /i/;
- antíteses: lago escuro/ água cristalina: o eterno oposto ao efémero.


II

Elabora o comentário global do texto analisado, orientando-te pelos tópicos seguintes:
- tema:
- desenvolvimento do tema;
- relação o sujeito poético com o mundo;
- significado da falência dos olhos e dos dedos;
- recursos expressivos;
- ligação do poema ao simbolismo.