20.1.10

Menino e Moço



Tombou da haste a flor da minha infância alada.
Murchou na jarra de oiro o púdico jasmim:
Voou aos altos Céus a pomba enamorada
Que dantes estendia as asas sobre mim.

Julguei que fosse eterna a luz dessa alvorada,
E que era sempre dia, e nunca tinha fim
Essa visão de luar que vivia encantada,
Num castelo com torres de marfim!

Mas, hoje, as pombas de oiro, aves da minha infância,
Que me enchiam de Lua o coração, outrora,
Partiram e no Céu evolam-se, a distância!

Debalde clamo e choro, erguendo aos Céus meus ais:
Voltam na asa do Vento os ais que a alma chora,
Elas, porém, Senhor! elas não voltam mais...

António Nobre



1. Qual a mensagem do sujeito poético?

2. Faz a divisão do poema em partes lógicas e justifica.
2.1. Retira do texto advérbios que correspondem aos momentos.

3. Que sentido predomina no poema: objectivo ou subjectivo? Justifica.

4. Como se denominam os grupos de versos que compõem o poema?
4.1. Faz a escnasão do primeiro verso.

5. Identifica os tipos de rima presentes neste poema.
5.1. A rima acontece entre palavras da mesma categoria gramatical ou de categoria gramatical diferente? Justifica com exemplos do texto.