5.12.09

Amor de Perdição

«A 17 de Março de 1807, saiu dos cárceres da Relação Simão António Botelho, e embarcou no cais da Ribeira, com 75 companheiros. O filho do ex-corregedor de Viseu, a pedido do desembargador Mourão Mosqueira, e por ordem do regedor das justiças, não ia amarrado com cordas ao braço de algum companheiro. Desceu da cadeia ao embarque, ao lado de um meirinbo, e seguido de Mariana, que vigiava os caixões da bagagem. O magistrado, fiel amigo de D. Rita Preciosa, foi a bordo da nau, e recomendou ao comandante que distinguisse o condenado Simão, consentindo-o na tolda, e sentando-o à sua mesa. Chamou Simão de parte, e deu-lhe um cartucho de dinheiro em ouro, que sua mãe lhe enviava. Simão Botelho aceitou o dinheiro, e, na presença de Mourão Mosqueteira, pediu ao comandante que fizesse distribuir pelos seus companheiros de degredo o dinheiro que lhe dava.
- E demente o senhor Simão?! disse o desembargador.
- Tenho a demência da dignidade: por amor da minha dignidade me perdi; quero agora ver a que extremo de infortúnio ela pode levar os seus amantes. A caridade só me não humilha quando parte do coração e não do dever. Não conheço a pessoa que me remeteu este dinheiro.»

Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição


I

Faça o comentário global do texto, tendo em conta os seguintes tópicos de análise textual:

- Importância da referência precisa ao tempo diegético;
- Caracterização de Simão enquanto herói anti-social;
- Ritmo narrativo;
- Recursos estilísticos;
- Léxico e seu valor



II

A propósito de Mariana, figura feminina de Amor de Perdição, o narrador interroga: «Que anjo te fadou o coração para a santidade desse obscuro martírio?»

partir da frase acima transcrita, redija uma pequena composição a respeito da complexidade desta personagem.