29.10.09

Constantino Guardador de vacas e de sonhos




O pai via-o amuado pelos cantos e perguntava às mulheres da casa:
- Que diabo tem o rapaz?
E, como ninguém lhe explicasse aquela tristeza, trouxe-o uma tarde para junto do Tunante, o cão guardador do curral das vacas.
Ali se puseram em conversa.
Foi a primeira conversa a sério que o Silvestre Cuco teve com o filho. Este nunca mais esqueceu tal dia, em que fez uma das descobertas mais surpreendentes da sua vida.
Falaram de homem para homem. Sim, senhor, de homem para homem, e o Constantino sabe bem o que lhe custou essa conquista. Quando se abriu com o pai para lhe confessar que a mãe não gostava dele por causa do nariz, apareceu-lhe de repente nos olhos uma grande vontade de chorar. Embargou-se-lhe a voz, as palavras começaram a sair todas cortadas, e vai então o pai disse-lhe assim:
- Um homem nunca chora, mesmo que veja as tripas doutro na mão...
Apressado, o Constantino deitou a ponta dos dedos a umas lágrimas que queriam rebentar, e ali mesmo as esmagou, segurando as outras todas que já vinham numa carreirinha para fazerem o pranto. Baixou a cabeça por instantes, erguendo-a depois com um sorriso. Encararam-se, o pai animou-o com um olhar que ele conhecia, e o Constantino percebeu que ganhara nesse dia o seu melhor camarada.


Alves Redol, Constantino, Guardador de vacas e de sonhos, 1962



I

1. Diz qual é o assunto do texto.
2. Por que razão andava o Constantino amuado ?
3. Qual foi a surpreendente descoberta que o Constantino fez naquele dia ?
4. Depois de leres o texto com atenção, resume-o.


5. Classifica morfologicamente as palavras seguintes:
Que
tristeza
-o
Ali
Este
Sua
Bem
Não
Veja
Chora

6. Diz quais são as regras que motivam a acentuação gráfica das palavras seguintes:
ninguém
lágrimas
caíram
açúcar
Luís

7. Diz, justificando, quais são os recursos de estilo presentes nas seguintes expressões do texto:
a) «Quando se abriu com o pai»
b) «as palavras começaram a sair todas cortadas»
c) «umas lágrimas que queriam rebentar»