3.6.09

Simbologia

A.

Afonso (...), de resto, não desgostava do Ramalhete (...). E gostava até do seu quintalejo. Não era de certo o jardim de Santa Olávia: mas tinha um ar simpático, com os seus girassóis perfilados ao pé dos degraus do terraço, o cipreste e o cedro envelhecendo juntos como dois amigos tristes, e a Vénus Citereia parecendo agora, no seu tom claro de estátua de parque, ter chegado de Versalhes, do fundo do Grande Século... E desde que a água abundava, a cascatazinha era deliciosa, dentro do nicho de conchas, com os seus três pedregulhos arranjados em despenhadeiro bucólico, melancolizando aquele fundo de quintal soalheiro com um pranto de náiade doméstica, esfiado gota a gota na bacia de mármore.

B.

No terraço morria um resto de sol (...). Carlos, que se sentara no parapeito baixo do terraço, entre os vasos sem flor, contou o fim do «reverendo Bonifácio» (...). Ega sentara-se também no parapeito, ambos se esqueceram num silêncio. Em baixo o jardim, bem areado, limpo e frio na sua nudez de Inverno, tinha a melancolia de um retiro esquecido, que já ninguém ama: uma ferrugem verde, de humidade, cobria os grossos membros da Vénus Citereia; o cipreste e o cedro envelheciam juntos, como dois amigos num ermo; e mais lento corria o prantozinho da cascata, esfiado saudosamente, gota a gota, na bacia de mármore.

Eça de Queirós, Os Maias, cap. I e cap. XVIII



I

1. Integre estes excertos (textos A e B) na estrutura global da obra.

2. Comente o paralelismo existente entre as duas descrições.

3. Refira o valor simbólico destas descrições do jardim do Ramalhete.

4. Estabeleça relações entre a Vénus Citereia e as personagens Maria Monforte e Maria Eduarda.

5. Mencione e dê exemplos de alguns recursos de estilo presentes no texto B.

6. Entre as duas descrições decorre toda a tragédia de Os Maias. Refira sucintamente os principais momentos dessa tragédia.


II

A partir do seu conhecimento de Os Maias, refira-se ao modo como está representada na obra a conjuntura sócio-política e cultural da Lisboa daquela época.