3.5.09

Tanto de meu estado me acho incerto,

File:Caspar Netscher Venus mit Cupido.jpg


Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa, juntamente choro e rio;
O mundo todo abarco e nada aperto.

É tudo quanto sinto um desconcerto;
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio,
Agora desvario, agora acerto.

Estando em terra, chego ao Céu voando;
Nua hora acho mil anos, e é de jeito
Que em mil anos não posso achar ua hora.

Se me pergunta alguém porque assim ando,
Respondo que não sei; porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.

Luís de Camões


I

1. Identifique o tema e o seu desenvolvimento.

2. A mudança exerce-se, quer no mundo em que o Poeta se inclui quer nele próprio.
2.1 Refira os efeitos dessa mudança no Mundo e na Natureza. Justifique com frases do texto.
2.2 Identifique as repercussões dessa mudança no sujeito poético e nos seus sentimentos.

3. Releia os dois tercetos.
3.1 Indique os aspectos da linguagem e do estilo que contribuem para a valorização estética deste poema.
3.2 Classifique morfologicamente as palavras destacadas: «E, afora este mudar-se cada dia, Outra mudança faz de mor espanto: Que não se muda já como soía.»

4. Proceda à análise formal do soneto:
4.1 Indique o esquema rimático.
4.2 Classifique as rimas da primeira quadra:
a) quanto à disposição ou ligação entre os versos;
b) quanto à acentuação;
c) quanto às classes gramaticais das terminações ou frequência de uso;
d) quanto aos elementos vocálicos e consonânticos das terminações.
4.3 Faça a escansão do verso 4.
4.4 Classifique-o quanto ao número de sílabas métricas e quanto à posição das sílabas tónicas.



II

Num texto informativo-expositivo, com cerca de cento e cinquenta palavras, mostre como Camões, apesar de autor da Renascença, soube aproveitar a tradição do lirismo peninsular.