28.5.09

Sermão de Santo António aos Peixes,

Leia atentamente todo o enunciado. Ao responder às questões apresentadas, tenha em conta que, na apreciação da sua ficha, além dos aspectos do conteúdo, serão também considerados os aspectos de redacção (ortografia, pontuação e correcção sintáctica), organização lógica das ideias, clareza e capacidade de síntese.


Texto

Pregava Santo António em Itália na cidade de Arimino, contra os hereges, que nela eram muitos; e como erros de entendimento são dificultosos de arrancar, não só não fazia fruto o santo, mas chegou o povo a se levantar contra ele e faltou pouco para que lhe não tirassem a vida. Que faria neste caso o ânimo generoso do grande António? Sacudiria o pó dos sapatos, como Cristo aconselha em outro lugar? Mas António com os pés descalços não podia fazer esta protestação; e uns pés a que se não pegou nada da terra não tinham que sacudir. Que faria logo? Retirar-se-ia? Calar-se-ia? Dissimularia? Daria tempo ao tempo? Isso ensinaria porventura a prudência ou a covardia humana; mas o zelo da glória divina, que ardia naquele peito, não se rendeu a semelhantes partidos. Pois que fez? Mudou somente o púlpito e o auditório, mas não desistiu da doutrina. Deixa as praças, vai-se às praias; deixa a terra, vai-se ao mar, e começa a dizer a altas vozes: Já que me não querem ouvir os homens, ouçam-me os peixes. Oh maravilhas do Altíssimo! Oh poderes do que criou o mar e a terra! Começam a ferver as ondas, começam a concorrer os peixes, os grandes, os maiores, os pequenos, e postos todos por sua ordem com as cabeças de fora da água, António pregava e eles ouviam.

Se a Igreja quer que preguemos de Santo António sobre o Evangelho, dê-nos outro. Vos estis sal terrae: É muito bom texto para os outros santos doutores; mas para Santo António vem-lhe muito curto. Os outros santos doutores da Igreja foram sal da terra; Santo António foi sal da terra e foi sal do mar. Este é o assunto que eu tinha para tomar hoje. Mas há muitos dias que tenho metido no pensamento que, nas festas dos santos, é melhor pregar como eles, que pregar deles. Quanto mais que o são da minha doutrina, qualquer que ele seja tem tido nesta terra uma fortuna tão parecida à de Santo António em Arimino, que é força segui-la em tudo. Muitas vezes vos tenho pregado nesta igreja, e noutras, de manhã e de tarde, de dia e de noite, sempre com doutrina muito clara, muito sólida, muito verdadeira, e a que mais necessária e importante é a esta terra para emenda e reforma dos vícios que a corrompem. O fruto que tenho colhido desta doutrina, e se a terra tem tomado o sal, ou se tem tomado dele, vós o sabeis e eu por vós o sinto.

Padre António Vieira, Sermão de Santo António




I

1. O excerto que acabou de ler pertence ao Sermão de Santo António aos Peixes escrito pelo Padre António Vieira. Justifique o título do sermão.

2. Explique a presença no texto da seguinte expressão: «Vos estis sal terrae» (Vós sois o sal da terra).

3. Retire do texto exemplos de dois recursos de estilo e comente o seu valor expressivo.

4. Exponha as intenções do autor ao escrever este sermão.

5. Refira alguns processos de que o Padre António Vieira se serve para tentar convencer os seus ouvintes.

6. Atente na seguinte frase: «Mudou somente o púlpito e o auditório, mas não desistiu da doutrina.»

6.1. Classifique morfologicamente as palavras púlpito, não e doutrina.

6.2. Explique o processo de formação da palavra somente.

6.3. Reescreva a frase, colocando as formas verbais no pretérito mais-que-perfeito.


II

Crie um texto argumentativo, partindo da sugestão do seguinte excerto do Sermão de Santo António aos Peixes: «Quem quer mais do que lhe convém, perde o que quer, e o que tem».