2.4.09

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades



Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

Luís de Camões


I

O poema aborda o tema renascentista da mudança.

1.1.O que lhe sugerem as repetições do verbo «mudar», na primeira quadra?

1.2. Um advérbio, na segunda quadra, e um verso, no segundo terceto, reforçam a ideia a que se alude em 1.1. Transcreva-os.

2. Relacione mudança e permanência, na segunda quadra.

3. Releia o primeiro terceto.
3.1. Distinga o(s) verso(s) que dizem respeito ao tempo da natureza do(s) que se referem ao tempo humano.
3.2. De que forma se opera a mudança em cada dos casos?

4. O que constata o eu poético no último terceto?