14.4.09

Como moireu quen nunca ben


Como moireu quen nunca ben
houve' da ren que mais amou,
e quen viu quanto receou
dela, e foi morto por en,
ai, mia senhor. assi moiro eu!

Como moireu quen foi amar
quen lhi nunca quis ben fazer
e de quen lhi fez Deus veer
de que foi morto con pesar,
ai, mia senhor, assi moiro eu!

Como home que ensandeceu,
senhor, con grande pesar que viu,
e non foi ledo, nen dormiu
depois, mia senhor, e moireu,
ai, mia senhor, assi moiro eu!

Como moireu quen amou tal
dona que Ihi nunca fez ben,
e quen a viu levar a quen
a non valia, nen a val,
ai, mia senhor, assi moiro eu!

Pai Soares de Taveirós, CA 25, CBN 122



I

1. Explicite o assunto da cantiga que acabou de ler.

2. Quem é o receptor da mensagem do sujeito poético? Justifique.

3. Comente o modo como a coita de amor define o estado psicológico do trovador.

4. De que modo é que poderemos considerar o sujeito poético um «amador perfeito»?

5. Faça a análise da estrutura externa da cantiga.

6. Insira, justificando, a cantiga no género a que pertence.


II

Numa composição cuidada, comente a seguinte afirmação de Segismundo Spina:

«Os cantares d'amor, não obstante a sensação de monotonia que oferecem pelo tratamento do tema, são, do ponto de vista estético, superiores aos cantares d'amigo.»