19.4.09

Adamastor (C.V, 39-44)



39
Não acabava quando hüa figura
Se nos mostra no ar, robusta e válida,
De disforme e grandíssima estatura;
O rosto carregado, a barba esquálida,
Os olhos encovados, e a postura
Medonha e má e a cor terrena e pálida;
Cheios de terra e crespos os cabelos,
A boca negra, os dentes amarelos.

41
E disse: «Ó gente ousada, mais que quantas
No mundo cometeram grandes cousas,
Tu, que por guerras cruas, tais e tantas,
E por trabalhos vãos nunca repousas,
Pois os vedados términos quebrantas
E navegar meus longos mares ousas,
Que eu tanto tempo há já que guardo e tenho,
Nunca arados de estranho ou próprio lenho:

43
Sabe que quantas naus esta viagem
Que tu fazes, fizerem, de atrevidas,
Inimiga terão esta passagem,
Com ventos e tormentas desmedidas!
E da primeira armada, que passagem
Fizer por estas ondas insofridas,
Eu farei de improviso tal castigo,
Que seja mor o dano que o perigo!

44
Aqui espero tomar, se não me engano,
De quem me descobriu suma vingança.
E não se acabará só nisto o dano
De vossa pertinace confiança:
Antes, em vossas naus vereis, cada ano,
Se é verdade o que o meu juízo alcança,
Naufrágios, perdições de toda sorte,
Que o menor mal de todos seja a morte!

Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto V



I

1. Situe o excerto que acabou de ler no plano narrativo em que está inserido. Justifique a resposta.

2. Caracterize física e psicologicamente o gigante.

3. Explicite o significado das ameaças de Adamastor.

3.1. Identifique o tempo e modo das formas verbais utilizadas para concretizar essas ameaças.

4. Refira o significado geográfico e mitológico de Adamastor.

5. Retire do texto dois exemplos de recursos de estilo e comente o seu valor expressivo.


II

No episódio do Adamastor, o poeta coloca na boca do gigante uma profecia. Refira-a com um breve comentário relacionando-a com o que conta o Marido à Ama no Auto da Índia.