29.3.09

Zé Manel


Um dia, Zé Manel contou-me aqui na praia, estava eu sentada a seu lado sobre aquela areia dourada e fina e ouvíamos ambos a grande música do mar misturada com o cantar pequenino dos grilos:
- Sabe de que eu gosto? De ir ao Campo de Aviação e ver os aviões levantar e baixar (os aviões chegavam e partiam só duas vezes por semana naquela ilha). E perguntei-lhe:
- Que te vem à ideia quando vês os aviões, Zé Manel?
- Grandes pássaros e outras terras! Mas do que eu gosto mais é de vir à praia.
- E porquê?
Eu quase sabia a resposta daquele menino de bonezinho branco e azul e de olhos cor dos montes varridos pelos ventos.
Ele respondeu rindo muito, mostrando os dentes brancos como seixos lavados pelo mar.
- Gosto de tomar banho e de andar de canoa. E perguntei-lhe mais:
- Zé Manel, quando fores um homem, o que queres fazer? A sua voz delicada, misturada com a música grande do mar (nesta altura os grilos faziam silêncio), respondeu:
- Eu quero ir trabalhar para o bar do hotel aqui da praia.
- Gostas desse trabalho?
- Sim, senhora.
- E porque gostas dele?
- Para ganhar dinheiro.
- E para que queres ganhar dinheiro?
- Para me vestir e me calçar e comer.
- E não continuas a estudar?
- Eu vou continuar a estudar sozinho.
- Tu tens brinquedos, Zé Manel?
- Eu não tenho brinquedos.
- Nunca os tiveste?
- Não, senhora.
Eu pensei então e digo-vo-lo agora alto: Zé Manel é um sol sobre a areia, todo ele nesta ilha quase deserta e tão bela, chamada Porto Santo.
Zé Manel é um sol para aqueles homens e meninos que desprezam o trabalho, que tudo querem para si e nada amam, que não pensam que há meninos que vão estudar sozinhos, por não terem quem os ensine, meninos que nunca tiveram outro brinquedo senão o mar e os aviões que chegam e se vão duas vezes por semana. E o seu sorriso é o próprio Sol.
E beijei as faces do Zé Manel como se beijasse tudo que ainda não tem o verdadeiro Amor.

Matilde Rosa Araújo, O Sol e o Menino dos Pés Frios


I

1. De entre cada grupo de afirmações, assinala a que, segundo o texto, é verdadeira.

1.1. Zé Manel gostava mais de:
a. trabalhar no bar do hotel
b. tomar banho e andar de canoa
c. voar

1.2. Para a narradora, Zé Manel compara-se:
a. ao vento
b. à música do mar
c. ao próprio Sol

2. De entre a função informativa ou referencial, a função poética e a função emotiva
ou expressiva, faz corresponder a cada extracto do texto aquela que melhor se lhe adequa.
"E o seu sorriso é o próprio Sol."
"(nesta altura os grilos faziam silêncio)"
"Grandes pássaros e outras terras!"

3. Distingue as situações em que a expressão "Zé Manel" tem a função sintáctica de sujei-to, vocativo e complemento determinativo.
sujeito:
vocativo:
complemento determinativo:

4. De entre os títulos indicados, escolhe aquele que melhor se ajusta ao texto:
simplicidade;
isolamento;
homenagem;
afectividade,
e justifica a tua escolha.

5. Destaca do texto marcas que mostrem que a narração é feita na primeira pessoa e por uma personagem feminina.
II

Com base no excerto apresentado e também com a ajuda de transcrições, elabora um comentário com cerca de sessenta palavras, sobre a frase final do texto:

... como se beijasse tudo que ainda não tem o verdadeiro Amor.