1.2.09



Toda a cidade era dada a nojo, chea de mezquinhas querelas, sem neuu prezer que i houvesse: uú"s com grani mingua do que padeciam; outros havendo doo dos atribulados; e isto nom sem razom, cá se é trísle e mezqninho o coraçom cuidoso nas cousas contrairás que lhe aviinr' podem, veede que fariam aqueles que as continuadamenie tam presentes tiinham? Pêro com lodo esto, quando repicavom, neuiï nom mostrava que era faminto, mas forte e rijo contra seus emigos. Esforçavom-se uüs por consolar os outros, por dar remédio a seu grande nojo. mas nom preslava conforto de palavras, nem podia lul door seer amansada com neïïas doces razões; e assi como é nalural cousa a mão ir ameúde onde see a door, assi uus homees falando com outros, nom podiam em ai departir senom em na mingua que cada uiï padecia.
Ó quantas vezes encomendavam nas missas e preegações que rogassem a Deos devoíamente por o estado da cidade! E ficados os geolhos, beijando a terra, braadavom a Deos que lhes acorresse, e suas prezes nom eram compridas! Uüs choravom antre si, mal-dizendo seus dias, queixando-se por que lanio viviam, como se dissessem com o Profeta: «Ora veesse a morte ante do tempo, e a terra cobrisse nossas faces, pêra nom veermos tanlos males!» Assi que rogavom a morte que os levasse, dizendo que melhor lhe fora morrer, que lhe seerem cada dia renovados desvairados2 padecimentos. Outros se querelavom' a seus amigos, dizendo que forom desaventuirada gente, que se ante nom derom a el-Rei de Castela que cada dia padecer novas mizquiindades, firmando-se de todo nas peores cousas que fortuna em esto podia obrar.
Sabia porem isto o Meestre e os de seu Conselho, e eram-lhe doorosas d'ouvir taes novas; e veendo estes males a que ocorrer nom podiam, çarravom suas orelhas do rumor do poboo.
Como nom querees que maldissessem sã vida e desejassem morrer alguiïs homees e molhe-res, que tanta deferença há d'ouvir estas cousas aaqueles que as entom passa-om, como há da vida aã morte? Os padres e madres viiam estalar de fame os filhos que muito amavom, rompiam as faces e peitos sobr'eles, nom teendo com que lhe acorrer, senom planto4 e espargimento de lagrimas; e sobre todo isto, medo grande da cruel vingança que entendiam que el-Rei de Castela deles havia de tomar; assi que eles padeciam duas grandes guerras, iïa dos emigos que os cercados tiinham, e outra dos manti-imentos que lhes minguavom, de guisa que eram postos em cuidado de se defender da morte per duas guisas.
Pêra que é dizer mais de taes falecimentos5? Foi tamanho o gasto das cousas que mester haviam que soou uiï dia pela cidade que o Meestre mandava deitar fora todolos que nom tevessem pam que comer, e que soomentc os que o tevessem ficassem em ela; mas quem poderia ouvir sem gemidos e sem choro tal ordenança de mandado aaqueles que nom o tii-nham? Porem sabendo que nom era assi, foi-lhe já quanto de conforto. Onde sabee que esta fame e falecimento que as gentes padeciam, nom era por seer o cerco perlongado, ca nom havia tanto tempo6 que Lixboa era cercada; mas era per aazo das muitas gentes que se a ela colherem de todo o termo; e isso meesmo da frota do Porto quando veo. e os mantiimentos seerem muito poucos.
Ora esguardae7 como se fossees presente, iïa tal cidade assi desconfortada e sem neiïa certa feúza8 de seu livramento, como veviriam em desvairados cuidados quem sofria ondas de taes aflições? Ó geeraçom que depois veo. poboo bem aventuirado, que nom soube parte de tanlos males, nem foi quinhoeiro'1 de taes padecimentos! Os quaes a Deos por Sua mercee prougue de cedo abreviar doutra guisa, como acerca ouvirees.

Fernão Lopes, Crónica de D. João I



I

Elabore um comentário ao excerto apresentado, desenvolvendo os seguintes aspectos:
• A situação dramática da população.
• O rigor da descrição.
1 As características do estilo de Fernão Lopes (oralidade, visualismo, realismo descritivo, pormenor, expressividade da linguagem).
• Os sentimentos expressos e as sensações transmitidas.
• As marcas tónicas e morfossintácticas.


II

"O empenho supremo da arte de Fernão Lopes é fazer-nos presenciar a cena, vê-la como ele próprio a via."
Rodrigues Lapa

Desenvolva as ideias contidas na afirmação de Rodrigues Lapa, referindo-se aos processos utilizados por Fernão Lopes para tornar vivos, presentes e empolgantes os factos narrados.