30.1.09

Roi Queimado morreu con amor
en seus cantares, par Sancta Maria,
por Da dona que gran ben queria:
e, por se meter por mais trobador,
porque lhe ela non quis ben fazer,
feze-s'el en seus cantares morrer,
mais resurgiu depois ao tercer dia!

Esto fez el por üa sa senhor
que quer gran ben, e mais vos en diria:
por que cuida que faz i maestria,
enos cantares que faz, á sabor
de morrer i e des i d'ar viver;
esto faz el que x'o pode fazer,
mais outr'omem per ren' nono faria.

E non á já de sa morte pavor,
senon sa morte mais la temeria,
mais sabe ben, per sa sabedoria,
que viverá, des quando morto for,
e faz-[s'] en seu cantar morte prender,
des i ar vive: vedes que poder
que lhi Deus deu, mais que non cuidaria.

E, se mi Deus a mim desse poder
qual oj'el á, pois morrer, de viver,
já mais morte nunca temeria.

Pêro Garcia Burgalês


I

1. Há, nesta composição poética, urna sátira ao trovador Rói Queimado.
1.1. Identifique o objecto da sátira.
1.2. Identifique, a partir de expressões do poema, elementos que revelam mordacidade e ironia.

2. Classifique a cantiga e justifique.

3. Identifique os recursos estilísticos em:
- «feze-s'e! em seus cantares morrer, /mais ressurgiu depois ao tercer dia";
- "á sabor / de morrer i e dês i d'ar viver-.

4. Faça a análise formal da cantiga (não esqueça o artifício utilizado na última estrofe e a importância no poema).


II

1. Assinale todas as frases pertencentes ao conjunto de quatro que se segue e que contenham uma oração subordinada com valor condicional. Sublinhe, em todos os casos, essa oração subordinada.
1. O Paulo não sabe se o livro ia foi publicado.
2. O Paulo teris ido à festa se a Ana o tivesse convidado.
3. Ainda não se conhece o motivo que levou o ministro a demitir-se.
A. Se todos colaborarem, ainda será possível impedir a extinção das baleias.
(in Prova Especifica de Português 1998)