27.1.09

Praia



Os pinheiros gemem quando passa o vento
O sol bate no chão e as pedras ardem.

Longe caminham os deuses fantásticos do mar
Brancos de sal e brilhantes como peixes.

Pássaros selvagens de repense.
Atirados contra a luz como pedradas.
Sobem c morrem no céu verticalmente
E o seu corpo é tomado nos espaços.

As ondas marram quebrando contra a luz
A sua fronte ornada de colunas.

E uma antiquíssima nostalgia de ser mastro
Baloiça nos pinheiros.

Sophia de Mello Breyner Andresen,



I

Faça um comentário global ao poema, não esquecendo os níveis tónico, morfo-sintáctico, semântico e estilístico.
Entre outros aspectos que considere pertinentes, desenvolva, de forma integrada, os seguintes:
• Estrutura lógica do discurso.
• A harmonia e as marcas de negatividade.
• O caos e o cosmos.
• Mar como símbolo da vida.
• A evocação nostálgica.


II

Sophia cantou a vida e a passagem do caos ao cosmos; uma boa parte da poesia de Bocage exprime o desejo da morte, associada ao símbolo da noite, e a violência do que o amor.

Num conciso apontamento, que não ultrapasse 10 linhas, aborde criticamente a poesia de Bocage.