6.12.08

Leandro, Rei da Helíria


1º ACTO

Cena I
Rei Leandro, Bobo

(No jardim do palácio real de Helíria. Rei Leandro passeia com o bobo)

REI: Estranho sonho tive esta noite... Muito estranho...
BOBO: Para isso mesmo se fizeram as noites, meu senhor! Para pensarmos coisas acertadas, temos os dias — e olha que bem compridos são!
REI: Não sabes o que dizes, bobo! São as noites, as noites é que nunca mais têm fim!
BOBO: Ai, senhor, as coisas que tu não sabes...
REI: Estás a chamar-me ignorante?
BOBO: Estou! Claro que estou! Como é possível que tu não saibas como são grandes os dias dos pobres, e como são rápidas as suas noites... Às vezes estou a dormir, parece que mal acabei de fechar os olhos — e já tocam os sinos para me levantar. A partir daí é uma dança maluca, escada acima escada abaixo: és tu que me chamas para te alegrar o peque no almoço; é Hortênsia que me chama porque acordou com vontade de chorar; é Amarílis que me chama porque não sabe se há-de rir se há-de chorar — e eu a correr de um lado para o outro, todo o santo dia, sempre a suspirar para que chegue a noite, sempre a suspirar para que se esqueçam de mim, por um minutinho que seja!, mas o dia é enorme, enorme!, o dia nunca mais acaba, e é então que eu penso que, se os reis soubessem destas coisas, deviam fazer um decreto qualquer que desse aos pobres como eu duas ou três horas a mais para...
REI (interrompendo): Cala-te!
BOBO: Pronto, estou calado.
REI: Não me interessam agora os teus pensamentos, o que tu achas ou deixas de achar. Eu estava a falar do meu sonho.
BOBO: Muito estranho tinha sido, era o que tu dizias...
REI: Nunca me interrompas quando eu estou a falar dos meus sonhos!
BOBO: Nunca, senhor!
REI: Nada há no mundo mais importante do que um sonho.
BOBO: Nada, senhor?
REI: Nada.
BOBO: Nem sequer um bom prato de favas com chouriço, quando a fome aperta? Nem sequer um lumezinho na lareira, quando o frio nos enregela os ossos?
REI: Não digas asneiras, que hoje não me apetece rir.
BOBO: Que foi que logo de manhã te pôs assim tão zangado com a vida? Já sei! O conselheiro andou outra vez a encher-te os ouvidos com as dívidas do reino!
REI: Deixa o conselheiro em paz... E o reino não tem dívidas, ouviste?
BOBO: Não é o que ele diz por aí, mas enfim... Então, se ainda por cima não deves nada a ninguém, por que estás assim tão maldisposto? Terá sido coisa que comeste e te fez mal? Aqui há dias comi um besugo estragado, deu-me volta às tripas, e olha...
REI (interrompendo-o): Cala-te que já não te posso ouvir! (Suspira) Ah, aquele sonho! Coisa estranha aquele sonho...
BOBO: Ora, meu senhor! E o que é um sonho? Sonhaste, está sonhado. Não adianta ficar a remoer.
REI: Abre bem esses ouvidos para aquilo que te vou dizer!
BOBO (com as mãos nas orelhas): Mais abertos não consigo!
REI: Os sonhos são recados dos deuses.
BOBO: E para que precisam os deuses de mandar recados? Estão lá tão longe...
REI: Por isso mesmo. Porque estão longe. Tão longe, que às vezes nos esquecemos que eles existem. É então que nos mandam recados. Mas os recados são difíceis de entender. Acordamos, queremos recordar tudo, e muitas vezes não conseguimos.
BOBO (aparte): É o que faz ser deus... Eu cá, quando quero mandar recado, é uma limpeza: «ó Brites, guarda-me aí o melhor naco de toucinho para a ceia!» (Ri)
Não preciso de mandar os meus recados pelos sonhos de ninguém!
REI: Que estás tu para aí a resmonear?
BOBO: Nada, senhor! Reflectia apenas nas tuas palavras.
REI: E bom é que nelas reflictas. Apesar de bobo, quem sabe se um dia não irão os deuses lembrar-se de mandar algum recado pelos teus sonhos... (Pára, de repente. Fica por momentos a olhar para o bobo, e depois pergunta, com ar muito intrigado) Ouve lá, tu também sonhas?

(Aqui a cena fica suspensa, e a luz centra-se apenas no bobo, que fala para os espectadores na plateia)

BOBO: Será que eu sonho? Será que eu choro? Será que é sangue igual ao deles o que me escorre das costas quando apanho chibatadas por alguma inconveniência que disse? Que sabem eles de mim? Nem sequer o meu nome eles conhecem. Pensam que já nasci assim, coberto de farrapos, e que «bobo» foi o nome que me deu minha mãe. (Pausa) Se é que eles sabem que eu tenho mãe, e pai, e que nasci igualzinho ao rei, ao conselheiro, a todos os nobres deste e doutros reinos. E quando um dia morrer¬mos e formos para debaixo da terra, tão morto estarei eu como qualquer deles.

(A acção recomeça onde estava)

BOBO (rindo): Não, meu senhor! Só os grandes fidalgos é que sonham! Nós somos uns pobres servos... Sonhar seria um luxo, um desperdício! De resto, que podiam os deuses querer deste pobre louco? Que recados teriam para lhe mandar?
REI: És capaz de ter razão... (Suspira) Nem sabes a sorte que tens!
BOBO (irónico): Sei sim, meu senhor! Sou uma pessoa cheia de sorte! Todas as manhãs, quando o frio me desperta e sinto o corpo quebrado de dormir na palha estendida no chão, então é que eu percebo como sou feliz...
REI: Zombas de mim?
BOBO: Zombar, eu, senhor? Zombar de quê, se as tuas palavras são o eco das minhas?
REI: Pareceu-me...
BOBO: Deve ter sido de teres acordado maldisposto por causa desse tal sonho.
REI: Ah, meu bobo fiel, como eu às vezes gostava de estar no teu lugar, sem preocupações, sem responsabilidades...
BOBO: E para já, senhor! Toma os meus farrapos e os meus guizos, e dá-me o teu manto, a tua coroa, o teu ceptro...
REI (agitado): Cala-te!... Era isso mesmo que se passava no sonho... A coroa... o manto... o ceptro... tudo no chão... eu a correr, mas sem poder sair do mesmo sítio... e a coroa sempre mais longe, mais longe... e o manto... e o ceptro... e as gargalhadas...
BOBO: Gargalhadas? Não me digas que eu também entrava no teu sonho?
REI (como se não o tivesse ouvido)... as gargalhadas delas... e como elas se riam... riam-se de mim... e a coroa tão longe... e o manto tão longe... e o frio... tanto frio que eu tinha!...
BOBO: Perdoa-me, senhor, mas isso são tolices, dizes coisas sem nexo... Foi alguma coisa que comeste ontem, tenho a certeza.
REI: Não são coisas sem nexo: são recados. Recados dos deuses. (Aproxima-se do bobo e diz-lhe ao ouvido) Tenho medo!
BOBO: Shiuu! NUNCA DIGAS ISSO! Já viste o que podia acontecer se os deuses te ouvis-sem? Se descobris¬sem que os reis também têm medo? Se descobrissem que os reis podem mesmo ficar a-pa-vo-ra-dos?
REI (afasta o bobo e retoma a sua dignidade real): Tens razão! Quem foi que aqui falou em medo? Eu sou o rei Leandro, senhor do reino de Helíria! Tenho um exército de homens armados para me defenderem. Tenho um conselheiro que sabe sempre o que há-de ser feito. Tenho espiões bem pagos, distribuídos por todos os rei¬nos vizinhos, que me informam do que pensam e fazem os meus inimigos...
BOBO: Tens inimigos, senhor?
REI: Claro que tenho inimigos. Para que serve um rei que não tem inimigos?
BOBO: Realmente não devia ter graça nenhuma. Eu cá, de cada vez que me armam uma cilada e acabo espancado no pelourinho, também digo sempre: «Ainda bem que tenho inimigos, ainda bem que tenho inimigos»... Se ninguém me batesse, se ninguém me cobrisse o corpo de pontapés, acho mesmo que era capaz de morrer de pasmo...
REI: Zombas de mim?
BOBO: Que ideia, senhor! Como posso zombar de ti, se penso como tu pensas?
REI: Parecia...
BOBO: É o que eu digo: efeitos desse maldito sonho. Por que não o esqueces de vez?
REI: Tens razão. Farei por esquecê-lo. Não tenho motivos nenhuns para estar inquieto. Ainda por cima... (com um sorriso enlevado) ainda por cima com estas flores que são a luz dos meus olhos! (Aponta para Hortênsia e Amarílis, que entram nesse momento, com as suas aias)



I

1. Quantos actores são necessários para representar esta cena? Que personagens representam?

2. Onde se encontram as personagens? Em que momento do dia?

3. Qual é o estado de espírito do Rei? Porquê?

4. Algumas das palavras do Bobo têm uma clara intenção crítica. Explica, por palavras tuas, as críticas do Bobo.
4.1. Por vezes, o Bobo recorre à ironia para exprimir as suas críticas. Exemplifica. (Recorda que a ironia consiste em afirmar o contrário daquilo que na verdade se pensa.)

5. Lê a seguinte lista das principais características do texto dramático:
a. É um texto para ser lido, mas que se destina a ser visto e ouvido, isto é. a ser representado para um público.
b. Precisamente porque se destina a ser representado, contém indicações cénicas (ou didascá-lias), descrevendo o cenário ou dando sugestões sobre o tom de voz, os gestos, as movimentações das personagens no palco. Estas indicações surgem entre parênteses e/ou em itálico.
c. O diálogo é o modo de expressão dominante, estando geralmente ausente a narração. Podem ainda surgir apartes e monólogos,
d. Normalmente, está dividido em actos e cenas.
5.1. Apresenta exemplos destas características neste excerto.

6. Se representasses este texto, que elementos não seriam ditos em voz alta?

7. Esclarece o significado de algumas palavras e expressões próprias da linguagem teatral: cenário; cenógrafo', luminotécnico', abrir do pano; boca de cena; bastidores.

8. Se fosses o responsável por desenhar o cenário para o palco, como o imaginarias?