22.5.08

Retrato

hostingpics.net

No teu rosto começa a madrugada.
Luz abrindo,
de rosa em rosa,
transparente e molhada.
Melodia
distante e segura;
irrompendo da terra,
cálida, madura.
Mar imenso,
Praia deserta, horizontal e calma.
Sabor agreste.
Rosto da minha alma!

Eugénio de Andrade, Os Amantes sem Dinheiro



I

1. "No teu rosto começa a madrugada." (v. 1)
1.1. Explique o sentido da afirmação.
1.2. Identifique os recursos estilísticos utilizados.

2. Observe a construção enumerativa e circular do poema.
2.1. Faça o levantamento dos elementos que semanticamente aproximam ao valor presente em "rosto"
2.2. Identifique as categorias morfológicas predominantes.
2.2.1. Mostre a expressividade dessas categorias morfológicas.

3. As frases do poema, à excepção da primeira, surgem como nominais.
3.1. Identifique o predicado que se subentende em cada uma dessas frases.
3.2. Comente a possível intenção da ausência de explicitação do grupo verbal.


II

Produza um texto bem estruturado, de cem a duzentas palavras, de acordo com uma das opções seguintes:

A. Estabeleceu, de forma inequívoca, a relação directa do homem com a sua circunstância física e psicológica. Melhor do que ninguém, até hoje, Nemésio caracterizou o peso telúrico e a carga ances-tral do açoriano: «O mar é livre de se mover, não de mudar de sítio. O ilhéu morre de mobilidade numa situação perpétua.»

António Valdemar, in Diário de Notícias, 20 de Fevereiro de 1998


B. Se o arte é «realidade vista através de um temperamento», Régio não empenha um temperamento nos seus quadros de miséria social; deixa demasiado ò vista uma intenção moral ou religiosa previsível portanto sumária, pois o real é inesgotável e, por isso, o melhor toque de um denso realismo consiste na originalidade orgânica e inestancá-vel de juízos de valor, de atitude humoral ou «temperamento».

Oscar Lopes, Entre Fialho e Nemésio, INCM, 1987


C. Florbela Espanca, que foi uma das precursoras do movimento de emancipação literária da mulher, legou-nos uma poesia sensual, convulsa e ardente, em que cantou a beleza e o erotismo femininos, os momentos de ternura e de desencanto e manifestou o seu desejo quase obsessivo do absoluto e do infinito.