3.4.08

Alegres campos, verdes arvoredos


Alegres campos, verdes arvoredos
Claras e frescas águas de cristal,
Que em vós os debuxais ao natural,
Discorrendo da altura dos rochedos:

Silvestres montes, ásperos penedos,
Compostos em concerto desigual,
Sabei que, sem licença de meu mal,
Já não podeis fazer meus olhos ledos.

E pois me já não vedes como vistes,
Não me alegrem verduras deleitosas
Nem águas que correndo alegres vêm.

Semearei em vós lembranças tristes
Regando-vos com lágrimas saudosas,
E nascerão saudades de meu bem.


Luís de Camões


I

1. Identifique o tema do soneto.

2. Divida-o nas suas partes lógicas e atribua um título a cada uma delas.

3. Caracterize os dois elementos fundamentais: a Natureza e o Eu poético.

4. Proceda ao levantamento de algumas sensações sugeridas pelo poema.

5. Identifique os recursos estilísticos utilizados nas seguintes expressões:
5.1. «Ciaras e frescas águas de cristal» (v. 2)
5.2. «Nem águas que correndo alegres vêm.»(v. 11)

6. Faça a escansão do 4.° verso da 1ª estrofe.

7. Identifique os tipos de rima presentes neste soneto.


II

1. Construa uma frase contendo o verbo aprender e outra contendo o verbo apreender. As duas frases devem mostrar claramente a diferença semântica entre as duas palavras.

2. A frase seguinte é agramatical, isto é, não obedece â sintaxe. Dê a versão da frase corrigida:
O céu e a terra traduzia o estado de espirito do Pedro. A calma é absoluta.


III

Escolha um dos temas abaixo enunciados.

A. Partindo deste soneto e recordando outros textos e autores da lírica e da narrativa moderna e contemporânea, comente a seguinte afirmação:
"A vida do ser humano constrói-se na íntima relação ao mundo, à sociedade, à natureza. O homem só consegue o equilíbrio se estiver em harmonia consigo próprio e com tudo o que o rodeia.»

B. Recordando os episódios d'0s Lusíadas, crie um texto onde mostre a importância do homem na transformação da realidade, mas nem sempre com a anuência da Natureza, cujos elementos se revoltam.