23.2.08

O Carnaval de 1855




Era uma das últimas noites do Carnaval de 1855.
Havia menos estrelas no céu do que máscaras nas ruas. Fevereiro, esse mês inconstante como uma mulher nervosa, estava nos seus momentos de mau humor, o folgazão Entrudo ria-se de tais severidades e dançava ao som do vento e da chuva, e sob o dossel de nuvens negras que se levantavam do Sul. Graças à cheia do Douro, a cidade baixa podia bem prestar-se naquela época a uma paródia do Carnaval veneziano.
À porta dos teatros apinhava-se a multidão. Numerosos grupos de espectadores paravam diante das exposições de máscaras à venda e tornavam o trânsito naquelas ruas quase impraticável.
A animação era geral na cidade.
Todos corriam com ânsia... a enfastiarem-se, fingindo que se divertiam.
Alguma coisa também na Águia de Ouro, a anciã das nossas casas de pasto, a velha confidente de quase todos os segredos políticos, particulares e artísticos desta terra; alguma coisa havia nesta modesta casa amarela do Largo da Batalha, que desviava para lá os olhares de quem passava.
Desde as três horas da tarde que o tinir dos cristais e das porcelanas, o estalar das garrafas desarrolhadas, o estrépito das gargalhadas, das vozearias tumultuosas e dos hurras ensurdece-dores rompiam, como uma torrente, do acanhado portal daquele bem conhecido edifício; e por muito tempo essa torrente, à maneira do que sucede com a das águas dos rios caudalosos ao desembocarem no mar, conservava-se distinta ainda, através do grande rumor que enchia as ruas.
Os criados subiam e desciam azafamados as escadas, cruzavam-se ou abalroavam-se nos corredores, hesitavam perplexos entre ordens contraditórias, vinham apressar os colegas na cozinha ou entretinham com promessas os impacientes convivas da sala.
Sob aparências de modéstia, a Águia de Ouro parecia desta vez aureolada de não sei que majestade, condigna do seu emblema.

JÚLIO DINIS, Uma Família Inglesa


I

1.Refere a sequência do percurso espacial do texto.
1.1. Qual o espaço em que se demora mais o narrador e porquê?

2.Transcreve 5 verbos que se encontram no pretérito imperfeito do indicativo.
2.1. Justifica o uso desse tempo verbal.

3.Caracteriza o modo de representação dominante.
3.1. Transcreve 5 adjectivos e indica qual te parece mais expressivo, justificando.
3.2.Identifica as sensações presentes no texto. Explica-as.

4."Havia menos estrelas no céu do que máscaras nas ruas."
4.1. Explica o sentido desta frase.
4.2. Retira do texto outra comparação e explica o seu sentido.
4.3.Que outra figura de estilo encontras no texto? Explica-a.

5.Constrói cinco expressões de acordo com o modelo:
Carnaval de Veneza = Carnaval veneziano

6."Os criados subiam as escadas."
6.1. Reescreve a frase substituindo a expressão sublinhada pelo pronome.
6.2.Faz a análise sintáctica da frase.



II

O Carnaval é ainda hoje uma festa animada que movimenta muita gente.
Faz a descrição de uma cena de Carnaval, presenciada ou vivida por ti. Não te esqueças do movimento, do colorido e da expressividade.