27.2.08

Ilhas

Pointe Du Vieux Chateau, Belle Ile En Mer, Breton Islands, Morbihan, Brittany, France Photographic Print by Bruno Barbier

Navegavam sem o mapa que faziam
(Atrás deixando conluios e conversas
Intrigas surdas de bordéis e paços)

Os homens sábios tinham concluído
Que só podia haver o já sabido:
Para a frente era só o inavegável
Sob o clamor de um sol inabitável

Indecifrada escrita de outros astros
No silêncio das zonas nebulosas
Trémula a bússola tacteava espaços

Depois surgiram as costas luminosas
Silêncios e palmares frescor ardente
E o brilho do visível frente a frente

Sofia de Mello Breyner Andresen,
Ilhas in Navegações




Vocabulário:
conluios – conspirações para prejudicar outrém
clamor – queixa, gritaria
palmares – terreno com muitas palmeiras



I

1. O verso 1 sugere-nos, de imediato, um determinado tempo da nossa história de Portugal. Identifique o período histórico referido.

2. Nos versos 2 e 3, o sujeito poético identifica as actividades dos que ficavam.
Aponte quais eram essas ocupações.

3. Que figura de estilo se destaca entre os versos 1 e 2/3? Justifique.

4. Com ironia, o sujeito poético refere-se, na 3ª estrofe, ao saber livresco. Explique em que consistia tal saber.

5. Na 4ª estrofe é visível a atitude dos corajosos navegantes portugueses.
Como se comportavam eles?

6. Na 5ª estrofe, o sujeito poético refere que os esforços dos navegantes foram recompensados. Justifique a afirmação.

7. Neste poema sugere-se, de forma expressiva, que os Marinheiros Portugueses desvendaram mares nunca dantes navegados. Baseando-se em elementos textuais, confirme esta opinião.

8. Qual o tema deste poema? Justifique a sua opção.

9. Explique o sentido do seguinte verso: E o brilho do visível frente a frente considerando o contexto em que se insere.