14.12.07

Alegres campos, verdes arvoredos



Alegres campos, verdes arvoredos,
Claras e frescas águas de cristal,
Que em vós os debuxais1 ao natural,
Discorrendo da altura dos rochedos;

Silvestres montes, ásperos penedos,
Compostos em concerto desigual,
Sabei que, sem licença de meu mal,
Já não podeis fazer meus olhos ledos.

E, pois me já não vedes como vistes,
Não me alegrem verduras deleitosas,
Nem águas que correndo alegres vêm.

Semearei em vós lembranças tristes,
Regando-vos com lágrimas saudosas,
E nascerão saudades de meu bem.

Luís de Camões



I

Lê atentamente o texto e responde às seguintes questões:

1. Existe um contraste entre a natureza e o sujeito poético. Explicita o sentido da afirmação anterior.
2. O presente do sujeito poético difere do passado.
2.1. Que sentimento o dominava no passado?
2.2. Diz a causa do seu estado de espírito no presente.
2.2.1. Transcreve o verso que fundamenta a resposta à questão anterior.
3. Identifica as figuras de estilo presentes nas seguintes expressões:
a) «águas que correndo alegres vêm.» (v. 11).
b) «Regando-vos com lágrimas saudosas» (v. 13).
4. Refere a corrente da poética de Camões em que este poema se insere.
4.1 Faz a sua análise formal.

II

1. Explica o significado dos seguintes vocábulos: «silvestres» (v. 5); «ásperos» (v. 5); «deleitosas» (v. 10).
2. Transcreve as formas verbais presentes na última estrofe e classifica-as.
3. Integra as seguintes conjunções na subclasse a que pertencem: «que» (v. 7); «pois» (v. 9); «E» (v. 14).