14.11.07

Enquanto quis Fortuna que tivesse


File:Paolo Veronese 011.jpg

Enquanto quis Fortuna que tivesse
esperança de algum contentamento,
o gosto de um suave pensamento
me fez que seus efeitos escrevesse.

Porém, temendo Amor que aviso desse
minha escritura a algum juízo isento,
escureceu-me o engenho co'o tormento,
para que seus enganos não dissesse

Ó vós que Amor obriga a ser sujeitos
a diversas vontades! Quando lerdes
num breve livro casos tão diversos,

Verdades puras são, e não defeitos...
e sabei que, segundo o amor tiverdes,
tereis o entendimento de meus versos!

Luís de Camões


I

1. Atenta na primeira estrofe.
1.1 Explicita o conceito de «Fortuna».
1.2 De que modo a «Esperança» está associada à «Fortuna».
1.3 Como surgiu o acto da escrita?
2. Indica o factor que «Escureceu» «o engenho» ao sujeito poético.
2.1 Com que objectivo?
3. Transcreve a expressão que identifica o destinatário da mensagem do poeta.
3.1 Segundo o sujeito poético, o que determina o «entendimento» dos seus «versos»?


II

1. Classifica as seguintes frases estabelecendo a correspondência entre a coluna A e a coluna B.

Coluna A
a) «Enquanto quis Fortuna» (v. 1)
b) «Porém (...) Escureceu-me o engenho co'o tormento» (vs. 5-7)
c) «Para que seus enganos não disses-se» (v. 8)
d) «Quando lerdes / Num breve livro casos tão diversos» (vs. 10-11)
e) «segundo o amor tiverdes» (v. 13)
f) «que (...) tereis o entendimento de meus versos» (vs. 13-14)

Coluna B
1. subordinada substantiva completiva
2. subordinada adverbial temporal
3. subordinada adverbial temporal
4. coordenada adversativa
5. subordinada adverbial final
6. subordinada adverbial comparativa