13.9.07

Estes Sítios




Olha bem estes sítios queridos,
Vê-os bem neste olhar derradeiro...
Ai! o negro dos montes erguidos,
Ai! o verde do triste pinheiro!
Que saudades que deles teremos...
Que saudade; ai, amo, que saudade!
Pois não sentes, neste ar que bebemos,
No acre cheiro da agreste ramagem,
Estar-se alma a tragar liberdade
E a crescer de inocência e vigor!
Oh! aqui, aqui só se engrinalda
Da pureza da rosa selvagem,
E contente aqui só vive Amor.
O ar queimado das salas lhe escalda
De suas asas o nível candor,
E na frente arrugada lhe cresta
A inocência infantil do pudor.
E oh! deixar tais delícias como esta!
E trocar este céu de ventura
Pelo inferno da escrava cidade!
Vender alma e razão à impostura,
Ir saudar a mentira em sua corte,
Ajoelhar em seu trono à vaidade,
Ter de rir nas angústias da morte,
Chamar vida ao terror da verdade...
Ai! não, não... nossa vida acabou,
Nossa vida aqui toda ficou.
Diz-lhe adeus neste olhar derradeiro,
Dize à sombra dos montes erguidos,
Dize-o ao verde do triste pinheiro,
Dize-o a todos os sítios queridos
Desta ruda, feroz soledade,
Paraíso onde livres vivemos...
Oh! saudades que dele teremos,
Que saudade! ai, amor, que saudade!

Almeida Garrett, Folhas Caídas


I

1. Indica e justifica as reacções que o poeta manifesta ao longo do texto, perante esta dualidade antagónica: "Estes sítios queridos * O inferno da escrava cidade".
2. Delimita o tema do texto e justifica a opção tomada.
3. Indica os principais recursos estilísticos de que se serviu o autor para expressar os seus senti-mentos e refere o seu valor expressivo.
4. Identifica os elementos que te permitem situar este texto no Romantismo português.


II

"Não te amo, quero-te..."
"Anjo és. Mas que anjo és tu?
(...)
Em nome de quem vieste?
Paz ou guerra me trouxeste:
De Jeová ou Belzebu?"

"É que não há ser bastante
Para este gozar sem fim
Que me inunda o coração"


Tendo em conta que a poesia garrettiana revela um espírito renovador, não só quanto à concepção da mulher amada e do amor, mas também quanto aos aspectos formais, numa dissertação bem estruturada, refere-te à nova sensibilidade e à nova expressão poética, evidenciadas na lírica de Almeida Garrett.