18.9.07

Declaração de amor




Cometi uma grave falta moral só possível nos nossos electrónicos tempos. Sofro as consequências. Não sei como reparar o mal, nem a quem pedir perdão. Sinto-me ainda mais isolado na minha solidão.
Foi isto assim. Faz hoje dez dias, antes de adormecer, por volta das duas da manhã, tive a nefasta ideia de verificar se tinha novo correio electrónico. Estava cansado, ligeiramente engripado, confuso com a confusão das coisas do mundo. Entre umas poucas mensagens das quais logo me esqueci, vinha uma declaração de amor. Declaração de amor era mesmo o título da mensagem. Quando a abri e li, percebi que era um texto, que considerei do género poético, que me era enviado por uma pessoa que não vejo há anos, e que, desconheço como, soube do meu endereço electrónico. A mensagem era bonita, apesar de dois erros ortográficos e um de concordância, mas estranhei que me fosse dirigida. A ausência de traços corporais nas mensagens electrónicas pode ter contribuído para isso. Refiro-me à ausência da caligrafia, do timbre da voz, do cheiro da pele no papel, por exemplo. Uma mensagem electrónica parece ir directamente de uma alma para outra sem necessitar de mais nada, escrita de fantasmas. Quando a li pela segunda vez, fiquei com a nítida, ou confusa, sensação de que não lhe saberia responder, mas que alguma coisa tinha de fazer com ela. Era como um pedaço de fogo que não podia reter nas minhas mãos. Copiei-a mecanicamente, com os vários erros e a sua duvidosa poesia, e mandei-a sem mais para a minha correspondente favorita.
Antes de carregar no botão "send", ainda hesitara, como se adivinhasse a grande asneira que fazia. Mas é tão fácil carregar num simples botão. O que não adivinhava era que as consequências fossem tão graves. No dia seguinte, recebia uma mensagem da minha correspondente favorita, resposta de uma seriedade só comparável à sua crueldade. Dizia-me, resumidamente, que não admitia que brincasse com ela e pedia-me para não lhe só voltar a enviar e-mails. Fiquei destroçado.
Tenho de confessar que fiquei apaixonado pela minha correspondente favorita no preciso instante em que a vira, meses antes, sentada muito direita numa mesa de uma esplanada a olhar o mar. Impressionara-me de maneira definitiva o modo como a beleza dela se misturava com o que interpretei ser uma profunda melancolia. Parecia uma heroína de Dostoievsky. Depois disso nunca mais a vi, porque estamos geograficamente muito afastados por muitas milhas marítimas, se bem que electronicamente tão perto, à distância de segundos. Começámos a correspondermo-nos, primeiro irregularmente, depois todos os dias e mesmo mais do que uma vez por dia.
Eu comecei a gostar dela e creio que ela também começou a gostar de mim. Quando lhe escrevi que lamentava não haver tempo para lhe escrever tudo o que desejava, ela respondeu-me de seguida que uma frase bastava para colorir o dia, para não me preocupar com isso. Ao abrir o meu correio, eu já procurava o seu endereço entre todos os outros e era a mensagem dela, ou que abria primeiro, ou que deixava para o fim. São coisas assim que nos ajudam a avançar nos dias, pequenas coisas que nos retiram por instantes todo o peso do mundo. As mensagens dela tinham espírito, contavam pequenos incidentes, desejavam-me coisas boas. Esperava-as de véspera com uma pequena esperança que me trazia o coração quente.

Pedro Paixão, in revista Pública, 13 de Janeiro de 2002 (texto com supressões)





I

1. Numa curta introdução, o narrador anuncia, resumidamente, o episódio que vai contar.
1.1. Delimita, no texto, essa introdução.
1.2. Explica, por palavras tuas, o seu conteúdo.

2. De seguida, o narrador explica, em pormenor, como tudo se passou.
2.1. Copia as formas verbais que descrevem todas as acções do narrador desde que abriu "a declaração de amor" até a reenviar à sua correspondente favorita.
2.2. Antes de enviar a mensagem, o narrador hesitou.
2.2.1. Identifica as razões que estariam na origem desta indecisão.
2.2.2. Copia a frase em que ele pretende explicar por que razão enviou a mensagem.
2.3. As consequências do seu irreflectido gesto foram 'graves'.
2.3.1. Aventa algumas hipóteses acerca do que terá levado a destinatária da mensagem a tomar a atitude descrita.

3. Explica o sentido do fragmento textual que se segue: "Uma mensagem electrónica parece ir directamente de uma alma para outra sem necessitar de mais nada, escrita de fantasmas."


II

1. Relê o excerto que se segue:
"Tenho de confessar que fiquei apaixonado pela minha correspondente favorita no preciso instante em que a vira, meses antes, sentada muito direita numa mesa de uma esplanada a olhar o mar. Impressionara-me de maneira definitiva o modo como a beleza dela se misturava com o que interpretei ser uma profunda melancolia. "
1.1. Partindo do momento presente - aquele em que escreve - o narrador refere-se ao passado.
1.1.1. Destaca, no excerto, a expressão temporal que remete para o passado.
1.1.2. Identifica os três tempos verbais do passado aqui presentes e explica os respectivos valores.

2. Lê, com atenção, o fragmento textual que se segue - que se situa na continuação do texto -, procura compreender as teias de sentido que nele se estabelecem, e conjuga os verbos entre parênteses nos modos, tempos e pessoas convenientes:
"Apesar de ela me (dizer) que não lhe (enviar) mais mensagens depois da "minha" declaração de amor, (mandar) logo duas nesse dia e mais nos dias seguintes. Ainda não me (responder). Nas duas primeiras (pedir) desculpa e (procurar) justificar o meu desastrado acto com atenuantes que (fazer) vacilar a sua decisão."


III

1. Desesperado, ao perceber o disparate que tinha feito, o narrador deste episódio decidiu não respeitar o pedido da sua correspondente e mandou-lhe logo mais mensagens electrónicas. Como não obteve resposta, resolveu escrever-lhe uma carta, pois pareceu-lhe ser uma forma mais íntima e mais pessoal de pedir desculpa e de procurar justificar o seu precipitado acto. Imagina-te no lugar de uma destas pessoas e escolhe uma das seguintes propostas:

A. Redige a carta que poderia ser enviada à correspondente.
B. Imagina a carta que a correspondente poderia enviar como resposta ao pedido de desculpas.
Não te esqueças de respeitar, formalmente, a estrutura da carta.