1.8.07

Encomendação

Alma penada
Condenada
À vida,
Não paro de viver.
Sempre a acender
A luz interrompida,
Perturbo o sono de quem dorme ao lado.
Dia e noite acordado
E ofegante,
Lavro como arado
Obstinado
Os pousios do tempo circunstante.

E, fora de sazão
E de razão,
Sem ouvir os gemidos
Dos sentidos,
Semeio e reverdeço a terra desolada da minha solidão.
Canto com emoção
Desencantada
Versos serôdios que a geada cresta.
Versos sem voz futura.
Mas que são, nesta hora de amargura,
A única certeza que me resta.

Miguel Torga, in Diário XIII



1. Retire do poema as palavras/expressões comprovativas da presença do emissor.

2. Indique a função de linguagem que predomina no texto devido à presença desse emissor.

3. Refira outra função de linguagem que se destaca no texto acima transcrito. Justifique a sua
resposta recorrendo a exemplos textuais.

4. Indique o tema do poema numa frase curta e bem elaborada.

5. Divida o poema em partes e resuma muito brevemente o assunto de cada uma delas.

6. Identifique o(s) sentimento(s) do Eu lírico. Ilustre a sua resposta com elementos textuais.

7. Explique por palavras suas o sentido dos seguintes versos:
Canto com emoção/Desencantada/
Versos serôdios que a geada cresta. VV. 18/19/20.

8. Retire do poema uma metáfora e explique o seu sentido.

9. Divida e classifique as sílabas métricas do seguinte verso:
Os pousios do tempo circunstante. V.12