8.6.07

Seus olhos





Seus olhos - se eu sei pintar
O que os meus olhos cegou -
Não tinham luz de brilhar,
Era chama de queimar;
E o fogo que a ateou
Vivaz, eterno, divino,
Como facho do Destino.

Divino, eterno! - e suave
Ao mesmo tempo: mas grave
E de tão fatal poder,
Que, um só momento que a vi,
Queimar toda alma senti...
Nem ficou mais de meu ser,
Senão a cinza em que ardi.

Almeida Garrett, Folhas Caídas


I

1. Identifique as consequências da «luz» (v. 3) e do «fogo» (v. 5) no sujeito lírico.
2. Mostre como o sujeito poético exprime os seus sentimentos.
3. Clarifique a relação de oposição estabelecida no poema através das expressões «seus olhos» -«meus olhos».
4. Releia os dois últimos versos do poema: «Nem ficou mais de meu ser, Senão a cinza em que ardi.»
4.1. Explique o sentimento de frustração expresso nestes dois últimos versos.
4.2. Indique as causas dessa frustração.
4.3. Identifique o recurso estilístico na expressão «cinza em que ardi».
5. «Vivaz, eterno, divino» (v. 6)
5.1. Classifique morfologicamente os vocábulos transcritos.
5.2. Encontre dois sinónimos para cada um deles.


II

Recorde as leituras que fez da poesia de Almeida Garrett e refira-se aos seguintes aspectos:
1. A forma como o autor tratou a relação amorosa.
2. Características marcantes da linguagem e do estilo.