4.5.07

Levad', amigo, que dormides as manhãas frias



Levad', amigo, que dormides as manhãas frias;
todalas aves do mundo d' amor dizian:
leda m' and' eu.

Levad', amigo, que dormide' -las frias manhãas;
todalas aves do mundo d' amor cantavan:
leda m' and' eu.

Toda-las aves do mundo d' amor diziam;
do meu amor e do voss' en ment' avian:
leda m' and' eu.

Toda-las aves do mundo d' amor cantavan;
do meu amor e do voss' i enmentavan:
leda m' and' eu.

Do meu amor e do voss' en ment'avian;
vós lhi tolhestes os ramos en que siian:
leda m' and' eu.

Do meu amor e do voss' i enmentavam;
vos lhi tolhestes os ramos en que pousavan
leda m' and' eu.

Vós lhi tolhestes os ramos en que siian
e lhis secastes as fontes en que bevian:
leda m' and' eu.

Vós lhi tolhestes os ramos en que pousavan
e lhis secastes as fontes u se banhavan:
leda m' and' eu.


Nuno Fernandes Torneol, CV 242, CBN 604)


I

1. Divida esta cantiga em partes e indique o assunto de cada uma.

2. Identifique o sujeito poético e faça a sua caracterização.

3. Comente o papel desempenhado pelas «aves» nesta cantiga.

4. Atendendo à rima, à disposição estrófica e dos versos, caracterize o poema a nível formal.

5. Refira a valor documental das cantigas de amigo.


II

Numa composição cuidada, comente a seguinte afirmação de Hernâni Cidade:

«As cantigas de amigo, essas, dir-se-iam florescidas ao ar livre, frequentemente no ambiente duma natureza amiga – amiga ao ponto de intervir, como intermediária ou confidente, no drama lírico.»