29.5.07

Cristalizações

(…)
E nesse rude mês, que não consente as flores,
Fundeiam, como esquadra em fria paz,
As árvores despidas. Sóbrias cores!
Mastros, enxárcias, vergas! Valadores
Atiram terra com as largas pás.

Eu julgo-me no Norte, ao frio — o grande agente! —
Carros de mão, que chiam carregados,
Conduzem saibro, vagarosamente;
Vê-se a cidade, mercantil, contente:
Madeiras, águas, multidões, telhados!

Negrejam os quintais, enxuga a alvenaria;
Em arco, sem as nuvens flutuantes,
O céu renova a tinta corredia;
E os charcos brilham tanto, que eu diria
Ter ante mim lagoas de brilhantes!

E engelhem, muito embora, os fracos, os tolhidos,
Eu tudo encontro alegremente exacto.
Lavo, refresco, limpo os meus sentidos.
E tangem-me, excitados, sacudidos,
O tacto, a vista, o ouvido, o gosto, o olfacto!

(...)

Cesário Verde


1. maço - instrumento semelhante a um martelo.
2. japona - jaquetão; casaco.
3. esquadra - conjunto de navios de guerra.
4. enxárcia - conjunto dos cabos fixos que prendem os mastros e os mastaréus da gávea às mesas de guarnição situadas nas amuradas dos navios.
5. verga - pau preso ao mastro do navio, onde se amarra a vela.
6. valador - aquele que abre valas.


I


1. Indica a altura do ano em que se situa o cenário descrito pelo sujeito poético e transcreve passagens que justifiquem a tua resposta.

2. O sujeito poético refere, ao longo do poema, determinados tipos sociais agrupados em profissões.
2.1. Caracteriza os calceteiros.
2.2. A dureza do trabalho levado a cabo por estes homens reflecte-se no modo como o fazem.
2.2.1. Copia do poema um adjectivo e um advérbio que ilustrem esta afirmação.

3. Com a sua "visão de artista", o sujeito poético transfigura a realidade.
3.1. Justifica esta afirmação, apoiando a tua resposta em expressões textuais.

4. Procura no texto uma alusão saudosista ao campo, transcreve-a e explica-a.

5. O efeito impressionista da poesia de Cesário é conseguido através do recurso a processos estilísticos variados.
5.1. Prova que a descrição da cidade que o poeta faz, no seu deambular, apela a diferentes impressões dos sentidos.
5.2. Identifica no poema um exemplo de:
• sinestesia;
• assíndeto.


II

1. "E os rapagões, morosos, duros, baços, Cuja coluna nunca se endireita, Partem penedos." (vv. 21-23)
1.1. Divide e classifica as orações do excerto transcrito.
1.2. Faz a sua análise morfológica.


III

"A mim o que me rodeia é o que me preocupa."
1. Partindo da afirmação acima transcrita, atribuída a Cesário Verde, e evocando as leituras feitas nas aulas, elabora um texto expositivo-argumentativo (que tenha entre cento e trinta e cento e cinquenta palavras), onde esclareças essa atenção particular que o poeta dispensa à realidade circundante.