10.4.07

Requiem




Viam a luz nas palhas de um curral,
Criavam-se na serra a guardar gado.
À rabiça do arado,
A perseguir a sombra nas lavradas,
Aprendiam a ler
O alfabeto do suor honrado.
Até que se cansavam
De tudo o que sabiam,
E, gratos, recebiam
Sete palmos de paz num cemitério.
E visitas e flores no dia de finados.

Mas, de repente, um muro de cimento
Interrompeu o canto
De um rio que corria
Nos ouvidos de todos.
E Letes de silêncio represado
Cobre de esquecimento
Esse mundo sagrado,
Onde a vida era um rito demorado
E a morte um segundo nascimento.

Miguel Torga, Antologia



Vocabulário:
Requiem – Música triste; (tocada nos funerais de pessoas importantes).
Letes: Rio do Esquecimento, que corre no Inferno.



I

1. Na 1ª estrofe o sujeito poético traça o ciclo da vida – o nascimento e a morte dos homens.
1.1. Transcreva o verso que apresenta o nascimento.
1.2. Que figura de estilo se destaca nesse verso.
1.3. Transcreva o(s) verso(s) que apresentam a morte.
1.4. Identifique a figura de estilo que aí se destaca.
1.5. Caracterize a vida dos homens que nasciam e viviam na serra.

2. Na 2ª estrofe, a construção de uma barragem altera a vida da serra.
2.1. Transcreva o verso, que refere o surgimento desse novo elemento, o qual transforma a vida na serra.
2.2. Que aconteceu quando o rio foi represado?
2.3. Por que razão o sujeito lírico compara o rio que atravessa a serra ao Letes?
2.4. Explique o sentido do seguinte verso da última estrofe:
E a morte um segundo nascimento.

3. Destaque os dois momentos que constituem o poema. Resuma muito brevemente o conteúdo de cada um deles.

4. Explique por que razão o poema tem como título – Requiem.

5. Atribua um título diferente ao poema, referindo as razões da sua escolha.