16.4.07

Fronteira



Range primeiro a porta do Valentim, e sai por ela, magro, fechado numa roupa negra de bombazina, um vulto que se perde cinco ou seis passos depois.
A seguir, aponta à escuridão o nariz afilado do Sabino. Parece um rato a surgir do buraco. Fareja, fareja, hesita, bate as pestanas meia dúzia de vezes a acostumar-se às trevas, e corre docemente a fechadura do cortelho.
O Rala, de braço bambo da navalhada que o D. José, em Lovios, lhe mandou à traição, dá sempre uma resposta torta à mãe, quando já no quinteiro ela lhe recomenda não sei quê lá de dentro.
O Salta, que parece anão, esgueira-se pelos fundos da casa, chega ao cruzeiro, benze-se, e nin-guém lhe põe mais a vista em cima.
A Isabel, sempre com aquele ar de quem vai lavar os cueiros de um filho, sai quando o relógio de Fuentes, longe e soturnamente, bate as onze. Aparece no patamar como se nada fosse, toma altura às estrelas, se as há, e some-se na negrura como os outros.
O Júlio Moinante, esse levanta o gravelho, abre, senta-se num degrau da casa, acomoda o coto da perna da melhor maneira que pode, e fica horas a fio a seguir na escuridão o destino de um que lhe dói. Era o rei de Fronteira. Morto o Faustino nas Pedras Ninhas, herdou-lhe o guião. Mas um dia o Penca agarrou-o com a boca na botija, e foi só uma perna varada e as tripas do macho ã mostra. Quando, naquele estado, entraram ambos em Fronteira, ele e o animal, parecia que o mundo se ia acabar ali. Mas tinha o filho, o João. E agora, enquanto o rapaz, como os mais, se perde nos caminhos da noite, vai-lhe seguindo os passos da soleira da porta.

MIGUEL TORGA, Novos Contos da Montanha


I

1. Caracteriza, de maneira argumentada, a actividade que envolve as personagens do texto.

2. Aponta os traços comuns às várias personagens do texto.

3. Comenta o estado de espírito de Júlio Moinante.

4. Caracteriza o espaço em que se desenrola a acção.

5. Explica o sentido das seguintes frases:
a) "Morto o Faustino nas Pedras Minhas, herdou-lhe o guião"
b) "[...] o Penca agarrou-o com a boca na botija [...]"
"[...] quando o relógio de Fuentes, longe e soturnamente, bate as onze."
a) Identifica o recurso estilístico utilizado e refere a intenção do seu emprego.
b) Classifica a oração e analisa sintacticamente os seus elementos.


II


Com base no conhecimento do conto Fronteira, de Miguel Torga, narra, de maneira clara e concisa, a história que envolve as personagens centrais.